• Paulo Vinicius

Resenha: "Saga vol. 5" de Brian K. Vaughn e Fiona Staples

Depois que Dengo capturou Alana e Hazel, elas seguem rumo ao desconhecido. Marko consegue a ajuda do Príncipe Robô IV e procura pistas do paradeiro de sua esposa e filha. E em um planeta distante, Gwen, Sophie e The Brand buscam uma cura para The Will. Uma edição repleta de emoções.



Sinopse:


Nesse novo volume da série, múltiplas histórias colidem numa emocionante aventura por todo o cosmo. Enquanto Gwendolyn, Sophie, a Gata da Mentira e A Mácula, arriscam suas vidas na procura de uma cura para O Querer, Marko faz uma incômoda aliança com o Príncipe Robô IV para ajudá-lo a encontrar seu filho raptado, que está preso num estranho mundo com novos e terríveis inimigos. A trama, magnificamente ilustrada por Fiona Staples, continua, página a página, cada vez mais envolvente e surpreendente, misturando magistralmente elementos de ficção e fantasia, continuando a narrativa do que já é uma das melhores sagas em quadrinhos do século 21.


Atenção: Tem spoilers... muitos spoilers de volumes anteriores. Afinal é a resenha do volume 5.






Saudade e arrependimento


Saga continua arrasando com uma narrativa que não para nem por um segundo. Esse quinto volume tem muitas peças em movimento. Quando você imagina que vai ter um respiro, algo mais emocionante acontece a seguir. Vaughn nos mantém presos desde a primeira página. Se eu posso dizer em relação a volumes anteriores, essa é a melhor edição até o momento. O trabalho com personagens continua no topo e mesmo a temática que é o foco desse volume, o arrependimento, é muito bem trabalhada.


A arte da Fiona continua belíssima. Mesmo com o fato de ela não ter tido muito espaço para se espraiar pelas páginas, ela mostra o repertório que possui. A variedade de tipos de personagens diferentes é espantosa. Temos desde um dragão, passando por diversos robôs, mutantes malucos e situações malucas. Essa variedade dá muito frescor aos capítulos já que nada é igual o tempo todo. O leitor sempre fica perdido diante da quantidade de informações presentes em cada página. O cuidado com frente e fundo mostra o quanto a Fiona se preocupou em adequar sua arte ao roteiro do autor. Tudo o que ela faz é orgânico e parece realmente complementar o roteiro. Por essa razão Saga é tão espetacular; tudo é coeso e coerente. Já não tenho mais adjetivos para qualificar a arte da Fiona. Vou ser um pouco perfeccionista porque ela me acostumou com o sensacional e dizer que eu queria ter visto uma quadrinização mais aberta, com menos quadros. A arte dela implora por isso e é chato vê-la tão comprimida. Sei que essa era uma edição que pedia isso, mas mesmo assim me incomodou um pouco.


Arrependimento é a palavra-chave deste volume. E vemos diversos personagens lidando com esse sentimento ao longo de toda a narrativa. Quando fazemos algo que não gostaríamos de ter feito. Como nos sentir diante disso? Não é possível voltar atrás como veremos nas diversas narrativas presentes neste volume. Tudo o que podemos fazer é aceitar e buscar mudar algo ou se conformar com aquilo que foi feito. Mudança ou aceitação. Não podemos refazer as coisas, viajar no tempo. O que podemos é aprender com aquilo que erramos e buscar nos tornarmos pessoas melhores. Ou então simplesmente zerar e começar de novo.



O personagem que passa por maiores transformações neste volume é Marko. É preciso lembrar que ele é uma pessoa que abomina a violência. E terminamos o anterior com ele arremessando uma caixa no rosto de Alana, algo que provocou a separação do casal. Ele acaba precisando lidar com o que fez. Infelizmente ele decide fazer da forma errada no começo e acaba se afogando no próprio arrependimento. Por todo este volume ele revive algumas sequências de sua infância e do período em que ele esteve envolvido na guerra. Ter matado pessoas, mesmo sendo durante uma guerra, causou feridas em seu coração. É um momento importante para entendermos de onde veio o seu estilo pacifista. A reação dele ao fato é a normal em qualquer ser humano: se afogar em bebidas e drogas. O que não passa de uma fuga do problema real. Fica até os meus parabéns à maneira como o autor faz com que o personagem dê a volta por cima. Nos estimula a repensarmos nossos valores e a como devemos buscar forças mesmo nos momentos mais difíceis.


Já Alana está junto de Dengo sendo levada em uma espaçonave a um planeta distante. Aparentemente o robô deseja vender Hazel a um grupo de revolucionários. Este grupo não é favorável nem a um lado nem a outro da guerra. Tudo o que eles desejam é pura anarquia. A princípio, Dengo fica animado com a perspectiva, mas vamos ver que as coisas não são tão simples assim. O amor de Alana por Hazel vai ser muito testado aqui. É até um contraponto ao volume anterior que viu um contato maior entre Marko e sua filha. A maneira como ambos se envolvem com Hazel é diferente: enquanto Marko precisa de Hazel como um complemento a seus sentimentos, o amor de Alana é o amor de uma mãe, como uma parte de si.


No outro grupo temos Gwen, Sophie e The Brand buscando uma cura para The Will. Eles acabam parando em um planeta buscando fluidos corporais de um dragão macho. O que eles encontram é algo completamente diferente do que eles tinham imaginado. Gwen acaba não tendo muito espaço aqui, e acabamos conhecendo um pouco mais da personalidade de Sophie. Uma menina atrapalhada e que está em busca de aceitação por parte dos membros do seu grupo. Essa necessidade cria problemas até desnecessários para todos. Aliás, o autor não tem a menor pena de sacrificar um personagem. E de maneiras bem sangrentas.



Em um volume marcado por histórias se desenvolvendo para todos os lados, Marko brilhou demonstrando sua capacidade como um pai que ama sua família. Ele sabe que errou e busca uma maneira de se redimir por seus pecados. A arte da Fiona continua maravilhosa e não é à toa que esta é uma série que sempre concorre ao Eisner. A qualidade do roteiro de Vaughan continua ficando cada vez melhor. Ele demonstra estar à vontade com seus personagens e retirar deles o máximo de seu potencial.









Ficha Técnica:


Nome: Saga vol. 5

Autor: Brian K. Vaughan

Artista: Fiona Staples

Editora: Devir

Tradutor: -----

Número de Páginas: 152

Ano de Publicação: 2017


Outros Volumes:

Volume 1

Volume 2

Volume 3

Volume 4


Link de compra


Tags: #saga #briankvaughan #fionastaples #devireditora #redencao #violencia #familia #paisefilhos #aventura #ficcoeshumanas







ficções humanas rodapé.gif

Todos os direitos reservados.

Todo conteúdo de não autoria será

devidamente creditado.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

O Ficções Humanas é um blog literário sobre fantasia e ficção científica.