• Paulo Vinicius

Resenha: "Trillium" de Jeff Lemire

De um lado temos Nika, uma xenobiologista de 3797 que precisa encontrar uma flor chamada Trillium para combater o vírus da Coifa. Do outro, temos William, um jovem explorador do ano 1921 que está em busca de um templo na Amazônia. A história desses dois personagens está ligada como nenhuma outra. 

Sinopse:


O ano é 3797. Nika Temsmith é uma cientista. O ano é 1921. William Pike é um soldado. Perseguida pelo espaço por um vírus consciente prestes a erradicar a humanidade, Nika está em busca de uma rara flor - Trillium - que seria a cura dessa peste mortífera. Marcado e assombrado pela Primeira Guerra, William procura por um lendário templo inca na esperança de encontrar sentido para a vida uma vez mais. Eles vêm de diferentes mundos. Diferentes épocas. Diferentes passados. Mas vão entrelaçar as próprias vidas de formas inimagináveis. Existe um portal entre ambos os mundos - uma ponte entre as mentes. Um segredo que pode salvá-los. ou destruir toda a existência. Eles estão prestes a revelar o mistério de Trillium. E a única esperança de conseguirem isso depende de ambos.

O premiado escritor-desenhista JEFF LEMIRE (SWEET TOOTH - DEPOIS DO APOCALIPSE) apresenta sua mais ambiciosa e transcendental história em TRILLIUM - uma empolgante saga de vida e morte, exploração e empatia, que vai dos limites do espaço-tempo às profundezas do coração humano.




Pode o destino de duas pessoas estar tão interligado que não importa o tempo ou o universo, eles sempre se buscarão? Uma história bem clichê, mas lindamente executada por Jeff Lemire, nessa HQ um pouco subestimada publicada no selo Vertigo, da DC Comics. Uma história que vai atravessar centenas de séculos, mas que dirá a cada um de nós que não estamos sozinhos. Sempre vai existir aquele ou aquela que nos completa, que nos preenche, nos faz inteiros. E essa pessoa pode vir dos lugares mais estranhos possíveis. 

Este é o segundo trabalho que eu li do Jeff Lemire e confesso que gosto bastante do roteiro dele. É engraçado porque Trillium é uma história que não é inovadora ou qualquer coisa especial. Mas, ela consegue nos tocar. Lemire tem o dom de fazer de seus personagens pessoas interessantes nas quais acabamos por nos importar devido aos seus problemas tão reais. Se formos parar para pensar bem, tudo o que eles passam nada mais é do que uma jornada para a busca um do outro. E isso é feito através de um cenário de ficção científica que no final do livro acaba perdendo um pouco sua importância diante do que ambos precisam superar. O estalo de entender por que eles se encontravam naquela situação e qual era a solução necessária só vai se dar lá bem para o final. E que final doce! Já sou um fã de suas histórias. 

Falando da edição da Panini propriamente dita, ela é bem simplória em uma capa cartonada. Um quadrinho naquele formato americano e papel LWC. A opção pelo LWC se tornou mais comum de um ano para cá nesse formato mais barato e eu achei a opção da editora bem acertada. Trillium não é nenhum best seller e não chega nem no top 5 de muitos fãs do selo Vertigo. Entretanto, era uma história que precisava chegar até nós. Mais do que isso: fomentar a distribuição em bancas de jornal, caso contrário, quase tudo que sair pela Panini vai acabar indo parar nas mãos dos e-markets fazendo com que as bancas percam a razão de ser. Achei a manobra acertada e eu espero que a editora continue a fazer isso, principalmente com esses títulos de menos expressão e em formato econômico. Ao final da HQ tem uma galeria de esboços do Lemire e ele conta um pouco sobre a concepção da HQ. 

Falando sobre o traço do Lemire, eu admito que ele é tenebroso. O Lemire tem um traço bem estilizado e de fato não me agrada nem um pouco. Mas, isso os fãs do autor sabem muito bem. Ele não é um autor famoso por ter um belo desenho, mas um roteiro excepcional. Entretanto, ele consegue surpreender o leitor com algumas ideias de desenho bem peculiares. Por exemplo, no capítulo 5 ele escreve a narrativa em uma escala de quatro fileiras de quadros: as duas de cima pertencem à Nika e as duas de baixo pertencem ao William. Enquanto que a parte da Nika, o leitor lê da forma normal, a parte do William deve ser lido em sentido contrário (do fim para o começo). A ideia da concepção daquele capítulo é que o universo estaria espelhado. Lemire só conseguiu isso porque ele imaginou esse trecho mesclando sua habilidade como roteirista aliado à sua arte. Outro elemento bem sutil acontece no capítulo 2, quando os personagens se encontram pela primeira vez. O preenchimento dos quadros é diferente para eles: enquanto que para a Nika é em tom de azul e vermelho, os de William são em verde e marrom imitando uma selva. Lemire faz umas brincadeiras bem curiosas com a arte que valem a pena serem estudadas. Isso, apesar do traço dele. 


O verdadeiro brilho dos personagens está no aliar personagens à narrativa. Nika é uma mulher que sofreu a perda de sua mãe quando jovem. Desde então ela acabou por se recolher em si. Ela até construiu Essie, uma IA que responde apenas a ela. Está totalmente fora dos computadores do Terralab e percebemos que é quase como uma companheira para a nossa personagem. Por conta desse aparente isolamento da personagem, ela acaba se sentindo insegura a respeito de suas próprias ações. O medo de acabar sozinha de uma vez por todas acaba atrapalhando sua relação, por exemplo, com a capitã Pohl.

Um ponto legal da Nika é que ela detecta o que sua capitã pretende fazer quando encontrar um campo de trillium e se coloca veementemente contra. Mesmo em se tratando da defesa da humanidade diante da aniquilação, ela não concorda com o genocídio de seres sencientes. Esse aspecto da personalidade dela vai estar presente do início ao fim do quadrinho. Gostei muito da personalidade dela como mulher: ao mesmo tempo em que ela é uma pesquisadora e luta contra a extinção total, ela consegue manter as suas ideias. 

Já William é uma pessoa que foi profundamente afetado pela batalha do Somme acontecida durante a Primeira Guerra Mundial. Estar diante de tantas mortes acabou por se tornar algo marcante em sua vida. Deixou rastros em sua personalidade: torturado e triste ao se ver, por exemplo, diante de uma pequena poça onde seus companheiros estavam desmembrados. Quando retorna para casa, ele precisa buscar um motivo pelo qual continuar a viver. O PTSD (Síndrome Pós-Traumática) que afeta soldados que retornam da guerra é um tema trabalhado de forma bem sutil pelo autor. O leitor se dá conta de que o personagem luta para tentar vencer aquilo, mas que aquelas marcas e aquelas dúvidas acabam por persegui-lo quando ele é colocado contra a parede.

Inicialmente a grande luta de William está em acreditar naquilo que está acontecendo. Se ver diante do impossível faz com que ele questione a sua sanidade. Será que sua mente finalmente cedeu diante de toda a desgraça que ele viveu? Esse questionamento vai estar presente até na forma como ele e Clayton (seu irmão) se relacionam. Clayton não consegue acreditar totalmente na cura de seu irmão e tenta protegê-lo a todo custo. Às vezes até de si mesmo.


Por ter 8 edições, eu fiquei um pouco decepcionado de Lemire não ter dedicado mais tempo de cena aos personagens de suporte. Por exemplo, a capitã Pohl foi muito mal aproveitada. A gente não era capaz de saber de que lado a personagem estava porque ela mesma não era muito coerente. Não sei dizer se havia uma inimizade dela com Nika ou até inveja. Ou se a versão inicial dela, estoica, porém preocupada com a protagonista era real ou não. A própria relação de William com Clayton poderia ter sido um pouco mais aprofundada. Entendo que a história era sobre William e Nika, mas estes personagens de suporte não podem estar ali apenas porque sim. Eles fazem com que os protagonistas sejam personagens mais ricos em relações. 

A história dos dois é absolutamente linda. Para alguns vai parecer forçada essa ligação tão intensa sendo que ambos se conheceram apenas algumas horas antes. Mas, eu acredito nisso. Existem relações de amor que não podem ser explicadas pela racionalidade. A gente sente e pronto. Essa conexão com outro indivíduo pode acontecer. Sabe aquela pessoa que te desperta algo no coração do qual você não sabe porque sente de forma tão poderosa? Um sentimento durando séculos, milênios. Aquela pessoa só é certa para nós. Nada além disso. Somos completos ao lado dela. 

Enfim, Trillium é uma bonita história de amor ultrapassando anos e universos. Uma história talvez clichê, mas executada com maestria por esse autor que sabe trabalhar as emoções de seus personagens. Ela merece ser lida por nós com calma e apreciada com suavidade. 


Ficha Técnica:

Nome: Trillium Autor/Artista: Jeff Lemire Editora: Panini Gênero: Ficção Científica

Tradutor: --- Número de Páginas: 208 Ano de Publicação: 2018


Link de compra:

https://amzn.to/2xmMOfM


Tags: #trillium #jefflemire #panini #futuro #humanidade #amor #alienigenas #relacionamento #universo #contato #hqs #amohq #leiahq #ighqs #ficcoeshumanas








ficções humanas rodapé.gif

Todos os direitos reservados.

Todo conteúdo de não autoria será

devidamente creditado.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

O Ficções Humanas é um blog literário sobre fantasia e ficção científica.