top of page
  • Foto do escritorPaulo Vinicius

Resenha:"O Covil do Demônio" (Guanabara Real vol2)de Eneias Tavares,Nikelen Witter e A.Z. Cordenonsi

Na conclusão desta duologia, Maria Teresa, Remi Rudá e Firmino Boaventura precisarão lidar com a derrota inicial para o Barão de Desterro e encontrar forças para derrotar um novo regime opressor que ameaça destruir a recém nascida república no Brasil.


Sinopse:


Brasil, 1893. Meses se passaram após o evento que ficou conhecido como o “Massacre do Engenho Novo”. Acusados injustamente do crime, a investigadora particular Maria Tereza Floresta, o engenheiro positivista Firmino Boaventura e o dândi místico Remy Rudá precisam agora se esconder nos subúrbios cariocas enquanto investigam as intenções do autoproclamado novo presidente do Brasil, o Barão do Desterro. Desaparecimentos se seguem à chegada do novo regime e, com mão de ferro, o Barão impõe sua vontade à população. E os três aventureiros sabem que isso é apenas o começo de um terrível plano! A investigação policial, tecnológica e mística continua. Os servos mecânicos do Barão tomam as ruas. E um horror indizível se avizinha... Três autores. Três heróis. Um Rio de Janeiro que nunca existiu. A aguardada continuação do Livro vencedor dos Prêmios AGES e Le Blanc.






O primeiro volume dessa duologia se destacou por ser um projeto nacional escrito a seis mãos por três escritores talentosos: Eneias Tavares, Nikelen Witter e A.Z. Cordenonsi. Os três já conhecidos por quem acompanha o Ficções Humanas. Apresentando uma trama aventuresca em um cenário steampunk baseado no Brasil do século XIX. A maior dificuldade era justamente essa proposta de vários autores escrevendo uma trama comum, ao invés de ser uma coletânea de contos. Na época do lançamento, o romance foi bastante elogiado, principalmente pela criatividade e pela ousadia. O desafio desse segundo livro era fazer algo que trouxesse a mesma ambientação do primeiro, mas de alguma forma subisse o sarrafo. Tendo sido escrito em um período bastante conturbado de nossa história com uma pandemia global e um governo autoritário. Terão eles conseguido? Descubram nas próximas linhas.


Tendo sido enganados pelo Barão do Desterro no final do volume anterior, os membros da agência Guanabara Real agora são perseguidos pela polícia, tendo sido acusados por toda a confusão. Não apenas isso, mas o Barão do Desterro, apoiado por alguns membros da alta sociedade carioca, conseguiu dar um golpe de Estado e se tornar uma espécie de governante vitalício. Em pouco tempo, ele transformou todo o Rio de Janeiro em uma sociedade vigiada, com seres robóticos (fruto de experimentos questionáveis) assegurando a sua dominação. O novo chefe de segurança Shariff está em busca de nossos heróis que vão precisar lidar com seus resultados desastrosos de outrora e reunir coragem para derrotar um poderoso inimigo que conta com o apoio de poderes sobrenaturais. Amizades serão forjadas, segredos serão revelados e decisões serão tomadas no volume final dessa duologia que conquistou nossos corações.


Um dos maiores desafios neste romance é, sem dúvida, a escrita a seis mãos. Vimos no volume anterior o quanto os autores conseguiram criar uma narrativa que a gente via uma certa identidade dos autores presentes nas linhas (isso se o leitor acompanhasse a carreira de cada um), mas que no geral era uma história bastante uniforme. Isso se repete aqui, com os três autores conseguindo transportar suas visões distintas para seus personagens para o romance sem prejudicar a coesão textual. Se isso foi um feito impressionante no primeiro livro, aqui isso está ainda mais acentuado. Duvido muito que vocês descubram quem escreveu que personagem sem consultar a parte final do livro. Nesse sentido as três histórias possuem o clima mais sombrio desse segundo livro em comum; anteriormente éramos capazes de perceber as motivações distintas de cada um e em como isso interferia na abordagem que os autores faziam de cada capítulo. Aqui, o que muda é o que cada personagem deseja para si. O objetivo final da narrativa é o mesmo, mas o caminho que cada um vai traçar para chegar até lá é que vai diferenciar sua jornada.


Podemos dizer claramente que esse livro é fruto do período em que foi escrito. Não sei se os autores tinham uma ideia de como seria o segundo livro após o final do primeiro, mas acredito firmemente que alguns dos planos possam ter mudado muito por conta de uma realidade que nos assombrou durante um período autoritário e de pandemia. Nas linhas do romance, percebemos a indignação dos autores quanto à realidade vivida, a frustração quanto a uma população que comprou um discurso fajuto e a necessidade de encontrar um raio de esperança ao final de tudo. Todos esses elementos são transportados para os personagens, que lutam para se manter em pé, unidos por uma causa comum, mas tendo seus próprios pensamentos quanto ao que estavam vivendo. A gente tinha um tom exótico e brilhante no primeiro livro, com um universo paralelo cercado por dirigíveis e engrenagens. Aqui, temos uma realidade mais suja e cinzenta, com um governo opressor atuando de forma vigilante, com autômatos que parecem versões hediondas de Frankenstein. Para aqueles de nós que tiveram alguma perda durante esses quatro anos de história ou que tinham uma consciência social mais crítica, o livro vai dialogar diretamente com nossos corações.


A dominação do Barão de Desterro passa por um controle de mentes e corpos. Ele visa criar uma sociedade de controle, usando um aparato policial que é destemido e desavergonhado. Através de notícias falsas e alianças espúrias, ele consegue controlar os outros poderes e transferir para si a autoridade de controlar os destinos de um país que havia recentemente obtido a democracia. Retornamos a um autoritarismo que vê em uma figura carismática o potencial deste líder messiânico capaz de salvar o país da corrupção. Percebam como é interessante a maneira como ele deseja usar policiais que não são capazes de pensamento crítico: sua única tarefa é destruir os opositores do regime, não importam os meios necessários. Mas, o Barão é inteligente e não manifesta sua autoridade com tanta clareza. Através do subterfúgio de garantir a segurança e o bem-estar da população, ele lhes tira o direito de ir e vir. Através de uma ordenação precisa, "facilitando" o transporte até o trabalho, ele garante que os indivíduos apenas trabalhem e retornem para casa e assim sucessivamente. Não há espaço para o pensamento livre, para a exploração de outros espaços, para a socialização. Gostaria que os autores tivessem trabalhado mais essa exploração de corpos e mentes. Senti que a ideia era boa, mas a necessidade de se concentrar na história principal tirou a oportunidade de brincar com isso. Nesse contexto em que nos encontramos, daria um bom debate.


Outro ponto que foi abordado e permeou as discussões dos personagens foi o apoio de uma população que não se deu conta de o quanto o Barão era uma pessoa nociva dentro do governo. Todos os seus avanços autoritários foram vistos com normalidade e aplaudidos. Mesmo quando as restrições começaram a se tornar maiores, não houve nenhum tipo de levante popular. Mesmo os contatos dos integrantes da agência se tornaram potenciais inimigos quando a delação passou a ser estimulada em troca de dinheiro e privilégios. É uma crítica a uma sociedade bestializada diante um grupo de pessoas com recursos e poder intimidador que impõe sua realidade aos demais. As poucas vozes dissonantes são caladas pelo sistema repressor e a população apenas cai no mesmo velho discurso. Sem o apoio de ninguém, a tarefa dos três personagens fica ainda mais complicada e isso se reflete em nossa realidade. Se queremos mudar a realidade, se queremos combater os opressores, é preciso apoiar aqueles que se colocam contra. Atirar pedras, criticar, ofender e denunciar é apenas ser cúmplice de um modus operandi que visa usar de uma falsa retórica para se perpetuar no poder. Porque, no enredo, é isso o que o Barão deseja. Líderes extremistas desejam apenas isso: uma sociedade acéfala e a perpetuação de um estado de coisas.


Os autores vão explorar um pouco mais os medos e anseios de cada um dos personagens. Maria Teresa se acostumou a estar nas altas rodas, a agir como uma defensora da justiça, mas paramentada com os artefatos da nobreza. Ao se ver desprovida disso, ela precisa descobrir o que a motiva. Nessa nova realidade, ela precisa sujar as mãos na lama, encontrar forças onde elas não existem, duvidar de aliados e encontrar as respostas nos lugares menos esperados. Por outro lado Firmino descobriu que não está sozinho no mundo. Junto de Joaquina, ele agora tem uma pessoa a quem proteger. Alguém que foi injustiçada por esses mesmos poderes que eles buscam combater. Só que nasce um sentimento no meio de todo esse caos. Mas será certo estar apaixonado por uma mulher que recentemente ficou viúva? Não só isso como o engenheiro terá de deixar sua lógica de lado caso queira realmente entender os planos do Barão. E Remy precisa lidar com a perda de sua amiga diante de uma criatura poderosa. Uma criatura capaz de perverter corpos e almas e que deseja pôr os pés no plano material a qualquer custo. Os planos do Barão envolvem também a construção de um exército mecânico poderoso e que fará Remy se questionar se essa batalha realmente pode ser vencida.


Em termos de impacto esse segundo livro ataca o tema de uma forma diferente. Busca na nossa realidade, a faísca criativa necessária para fazer a história andar. Na minha visão, achei esse segundo volume mais de ideias do que de ação propriamente dita. Só que há um desequilíbrio entre enredo e mensagens a serem transmitidas. Tanto é que o clímax é um pouco corrido. Admito que esperava algo mais apoteótico até porque o final do primeiro livro é épico em escala. Aqui achei mais contido. A escrita é fantástica: se o livro não te dissesse que é uma obra de três autores, o leitor não perceberia. Só isso já eleva muito o patamar de percepção. É um bom livro que usa bem o pano de fundo de um Brasil republicano que havia recentemente sido criado e que não perde a reflexão acerca dos dias atuais.











Ficha Técnica:


Nome: O Covil do Demônio

Autores: Eneias Tavares, Nikelen Witter e A.Z. Cordenonsi

Série: Guanabara Real vol. 2

Editora: Avec Editora

Número de Páginas: 200

Ano de Publicação: 2022


Outros Volumes:


Link de compra:


*Material recebido em parceria com a Avec Editora








Posts recentes

Ver tudo

Kommentare


bottom of page
Conversa aberta. Uma mensagem lida. Pular para o conteúdo Como usar o Gmail com leitores de tela 2 de 18 Fwd: Parceria publicitária no ficcoeshumanas.com.br Caixa de entrada Ficções Humanas Anexossex., 14 de out. 13:41 (há 5 dias) para mim Traduzir mensagem Desativar para: inglês ---------- Forwarded message --------- De: Pedro Serrão Date: sex, 14 de out de 2022 13:03 Subject: Re: Parceria publicitária no ficcoeshumanas.com.br To: Ficções Humanas Olá Paulo Tudo bem? Segue em anexo o código do anúncio para colocar no portal. API Link para seguir a campanha: https://api.clevernt.com/0113f75c-4bd9-11ed-a592-cabfa2a5a2de/ Para implementar a publicidade basta seguir os seguintes passos: 1. copie o código que envio em anexo 2. edite o seu footer 3. procure por 4. cole o código antes do último no final da sua page source. 4. Guarde e verifique a publicidade a funcionar :) Se o website for feito em wordpress, estas são as etapas alternativas: 1. Open dashboard 2. Appearence 3. Editor 4. Theme Footer (footer.php) 5. Search for 6. Paste code before 7. save Pode-me avisar assim que estiver online para eu ver se funciona correctamente? Obrigado! Pedro Serrão escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:42: Combinado! Forte abraço! Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:41: Tranquilo. Fico no aguardo aqui até porque tenho que repassar para a designer do site poder inserir o que você pediu. Mas, a gente bateu ideias aqui e concordamos. Em qui, 13 de out de 2022 13:38, Pedro Serrão escreveu: Tudo bem! Vou agora pedir o código e aprovação nas marcas. Assim que tiver envio para você com os passos a seguir, ok? Obrigado! Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:36: Boa tarde, Pedro Vimos os dois modelos que você mandou e o do cubo parece ser bem legal. Não é tão invasivo e chega até a ter um visual bacana. Acho que a gente pode trabalhar com ele. O que você acha? Em qui, 13 de out de 2022 13:18, Pedro Serrão escreveu: Opa Paulo Obrigado pela rápida resposta! Eu tenho um Interstitial que penso que é o que está falando (por favor desligue o adblock para conseguir ver): https://demopublish.com/interstitial/ https://demopublish.com/mobilepreview/m_interstitial.html Também temos outros formatos disponíveis em: https://overads.com/#adformats Com qual dos formatos pensaria ser possível avançar? Posso pagar o mesmo que ofereci anteriormente seja qual for o formato No aguardo, Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:15: Boa tarde, Pedro Gostei bastante da proposta e estava consultando a designer do site para ver a viabilidade do anúncio e como ele se encaixa dentro do público alvo. Para não ficar algo estranho dentro do design, o que você acha de o anúncio ser uma janela pop up logo que o visitante abrir o site? O servidor onde o site fica oferece uma espécie de tela de boas vindas. A gente pode testar para ver se fica bom. Atenciosamente Paulo Vinicius Em qui, 13 de out de 2022 12:39, Pedro Serrão escreveu: Olá Paulo Tudo bem? Obrigado pela resposta! O meu nome é Pedro Serrão e trabalho na Overads. Trabalhamos com diversas marcas de apostas desportivas por todo o mundo. Neste momento estamos a anunciar no Brasil a Betano e a bet365. O nosso principal formato aparece sempre no topo da página, mas pode ser fechado de imediato pelo usuário. Este é o formato que pretendo colocar nos seus websites (por favor desligue o adblock para conseguir visualizar o anúncio) : https://demopublish.com/pushdown/ Também pode ver aqui uma campanha de um parceiro meu a decorrer. É o anúncio que aparece no topo (desligue o adblock por favor): https://d.arede.info/ CAP 2/20 - o anúncio só é visível 2 vezes por dia/por IP Nesta campanha de teste posso pagar 130$ USD por 100 000 impressões. 1 impressão = 1 vez que o anúncio é visível ao usuário (no entanto, se o adblock estiver activo o usuário não conseguirá ver o anúncio e nesse caso não conta como impressão) Também terá acesso a uma API link para poder seguir as impressões em tempo real. Tráfego da Facebook APP não incluído. O pagamento é feito antecipadamente. Apenas necessito de ver o anúncio a funcionar para pedir o pagamento ao departamento financeiro. Vamos tentar? Obrigado! Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 16:28: Boa tarde Tudo bem. Me envie, por favor, qual seria a sua proposta em relação a condições, como o site poderia te ajudar e quais seriam os valores pagos. Vou conversar com os demais membros do site a respeito e te dou uma resposta com esses detalhes em mãos e conversamos melhor. Atenciosamente Paulo Vinicius (editor do Ficções Humanas) Em qui, 13 de out de 2022 11:50, Pedro Serrão escreveu: Bom dia Tudo bem? O meu nome é Pedro Serrão, trabalho na Overads e estou interessado em anunciar no vosso site. Pago as campanhas em adiantado. Podemos falar um pouco? Aqui ou no zap? 00351 91 684 10 16 Obrigado! -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification Área de anexos ficcoescodigo.txt Exibindo ficcoescodigo.txt.