• Paulo Vinicius

Resenha: "O Andarilho das Sombras" (Tempos de Sangue vol. 1) de Eduardo Kasse

Vamos acompanhar a jornada de Harold Stonecross: um homem em busca de seu lugar no mundo. Em um determinado momento de sua vida, Harold acaba se tornando um ser da noite e sua percepção sobre sua vida muda completamente.




Sinopse: O Andarilho das Sombras, primeiro livro da Série Tempos de Sangue de Eduardo Kasse, conta uma história instigante de como as escolhas, os caminhos tortuosos e uma maliciosa promessa criaram um grande mal. Harold Stonecross, protagonista do livro, é carismático, sedutor e fatal. Sempre envolto em mistérios enquanto caminha pelas ruelas escuras e imundas das cidades e vilas medievais da Inglaterra, Irlanda e França dos séculos XI e XII. Toda a narrativa é permeada e entrelaçada com fatos históricos e pessoas reais, com uma visão ficcional sobre o que poderia ter acontecido – ou aconteceu… Uma saga de deuses esquecidos, dogmas e mitos em que Harold narra as passagens da sua longa existência, repletas de conexões com tempos passados, presentes, imemoriais, vida humana e renascimento. O mundo se tornou o seu palco. Homens, mulheres, nobres ou religiosos, não importa: sempre haverá um rastro de sangue após as cortinas baixarem. Porque as teias do destino há muito tempo foram trançadas… Essa é a vida do homem que, por desespero e na iminência da morte, recebeu um dom e ao mesmo tempo uma maldição… Para ele e para a humanidade.



Antes de começar a resenha de Andarilho das Sombras eu acho interessante pontuar sobre o papel do blogueiro. Muita gente confunde a ideia de resenhar com a de exercer o papel de juiz, júri e executor. Então para que serve um blog de literatura? Eu vou comentar a respeito do que eu faço: quando eu resenho um livro, gosto de destacar os pontos positivos e negativos da obra. O objetivo final é duplo: para os leitores, quero incentivar a leitura (talvez um ponto negativo não seja tão negativo para quem está lendo o blog); para o escritor, a minha crítica acredito ser construtiva de forma a que ele possa perceber o que um leitor leigo percebeu de problema na obra.

Este é mais uma resenha cujo livro foi enviado em formato digital pela editora Draco. Quero agradecer à editora por enviar um livro tão interessante e acreditar no trabalho deste blog. Um grande abraço a todos!!

A lenda do vampiro já foi interpretada diversas vezes no cinema, nos livros e até nos quadrinhos. Desde um lorde assustador passando por uma criatura das trevas e chegando a um adolescente com problemas de identidade. Em Andarilho das Sombras, Eduardo Kasse volta às origens da lenda buscando sua inspiração claramente em Bram Stoker. Vocês vão me questionar: mas, espera aí, o vampiro do livro não é aquele lorde das trevas de Drácula. Não, não é, mas a linguagem empregada pelo autor e o próprio cenário apresentado me recordaram muito a Inglaterra de Bram Stoker. Kasse usa uma linguagem mais formal e erudita para compor as falas do personagem. Em alguns momento, o personagem solta um palavrão, mas no geral, ele é um estoico.

Outro elemento que lembra Bram Stoker é que, para o autor clássico, o vampiro é uma não-pessoa. Ao se libertar de todas as amarras sociais como a hesitação em matar e a manutenção de uma postura pudica na maior parte do tempo, o vampiro não é mais capaz de viver em sociedade. Para a criatura vampiro, os humanos são como gado necessário para a alimentação. O protagonista do livro entende os humanos dessa maneira. Além disso, o assassinato acaba se tornando algo tolo e banal, às vezes necessário para ocultar a sua presença.

Andarilho das Sombras fala sobre a história de Harold Stonecross, um vampiro oriundo das ilhas britânicas que tenta a todo custo encontrar o seu lugar no mundo. O enredo se passa em dois cortes temporais: um no presente em que Harold sai da Inglaterra e busca explorar agora o continente habitando Rouen na França e o momento passado buscando construir a infância, a adolescência e parte da vida adulta de Harold até sua transformação. O que eu percebi na história é que por diversas vezes, Harold buscou construir uma vida normal na medida do possível. Primeiro com Liádan, depois com Stella e por fim com Murron. No primeiro caso, ele tenta uma vida ao lado de uma companheira vampira e cede a todos os seus instintos sexuais com ela, mas permanecendo imortais; com Stella, ele buscou uma vida normal, se casando com ela e tendo uma espécie de vida conjugal; já com Murron ele buscou ter uma vida pudica, sem ter qualquer tipo de relação sexual com a mesma. Os dois primeiros casos levaram a situações trágicas e o terceiro levou à morte de sua protegida. O final do personagem é uma conjunção de suas duas primeiras tentativas. Se isso dará uma vida normal, talvez seja abordado em outros volumes da série.




Achei legal o twist que Kasse fez na lenda do vampiro. Não quero comentar em detalhes porque acho isso um dos pontos positivos no livro. No fundo o autor fez uma análise de um confronto entre as religiões tradicionais e a religião cristã. Vemos como Harold acha a nova religião uma completa tolice. Como o ponto de vista do livro parte de um narrador não-confiável, o cristianismo é massacrado como religião. Semelhante caso acontece nas Crônicas do Rei Arthur de Bernard Cornwell onde o protagonista Derfel Cadarn, mesmo pertencendo à Igreja, desconsidera a religião. Vemos também como os cristãos perseguiam os pagãos, submetendo-os a todo o tipo de humilhações. Até mesmo a postura ética de padres e bispos é  criticada. Nada como um pouco de humildade e um pouco de moedas de ouro para animar um clérigo da Igreja.

Infelizmente eu não entrei na história. Por ser uma história mais intimista, ela depende do fato de o protagonista ser empático com o leitor. Ou seja, a gente precisa sentir algo pelo personagem: alegria, tristeza, raiva, felicidade. E, para mim, o protagonista é indiferente. A história me pareceu muito parada. Entendi o que o autor quis fazer: se trata de uma história em que um não-indivíduo tenta se encaixar entre indivíduos. Mas, a todo o momento sua maldição como não-indivíduo cria uma situação que faz com que o personagem se afaste da sociedade. Foi assim com a partida de Liádan, a doença de Stella e a perseguição da Igreja. A história não foi capaz de me cativar o suficiente. Senti as páginas passando de forma arrastada. Entretanto, não posso dizer que o livro é ruim. É muito bem escrito e o autor mantém o seu objetivo com a história do início até o final. O livro não funcionou PARA MIM. Talvez com outros leitores ele tenha um resultado diferente. Ironicamente, eu fiquei curioso com o que Kasse deseja fazer com o personagem.

Andarilho das Sombras é uma tomada diferente, porém clássica de uma velha lenda. O vampiro é visto a partir de uma nova perspectiva dando dinamismo à história. A maneira com o autor conduz o personagem até o momento de sua transformação é muito interessante. Esqueçam aquelas ordens secretas de vampiros, tribos no meio da floresta ou conspirações bizarras. Nada disso; a lenda do vampiro volta às suas origens, ao strigoi, ao culto aos deuses antigos. Nessa linha a série Tempos de Sangue é intrigante e faz o leitor querer saber mais a respeito.




Ficha Técnica:


Nome: O Andarilho das Sombras

Autor: Eduardo Kasse

Série: Tempos de Sangue vol. 1

Editora: Draco

Gênero: Fantasia

Número de Páginas: 384

Ano de Publicação: 2015


Link de compra:

https://amzn.to/2Uvdoxj


*Material enviado em parceria com a editora Draco


Tags: #oandarilhodasombras #eduardokasse #temposdesangue #editoradraco #vampiros #imortalidade #haroldstonecross #liadan #dracula #bramstoker #escritaepistolar #idademedia #igreja #fantasia #terror #leiafantasia #leiaterror #amofantasia #amoterror #ficcoeshumanas

ficções humanas rodapé.gif

Todos os direitos reservados.

Todo conteúdo de não autoria será

devidamente creditado.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

O Ficções Humanas é um blog literário sobre fantasia e ficção científica.