• Amanda Barreiro

Resenha: "Incompletos", de Sabine Mendes Moura

Mariah está fugindo. Para sobreviver, deverá entender quem realmente é e em quem pode confiar.



Sinopse


E se as suas memórias fossem o preço que você tivesse que pagar pelo seu Dom? Mariah não sabe quantos anos tem, mas ela sabe que está sendo caçada… Para aqueles que são como ela, as memórias não são confiáveis e amigos são um luxo indisponível. Este é o mundo dos Especiais – eles se transformam em qualquer forma que forem capazes de encontrar na mente de quem estiver à sua frente. Mas todo Dom tem seu preço: a cada vez que ela se converte em uma memória de alguém, ela perde uma das suas. A sociedade tem um nome para este tipo de pessoa. Um nome a ser evitado. Um nome que ativa o Rastreio Virtual do governo e leva à prisão. Eles são chamados de Incompletos. Mariah é apenas uma fugitiva e vive uma jornada de aventura e autoconhecimento enquanto conhece um homem que parece não ser afetado por suas habilidades, uma guardiã que conhece a chave para desvendar seu passado e um jovem com quem ela irá dividir seu poder – e seu coração.


Memórias e Identidades


Recebi o livro da Sabine e me empolguei bastante com a premissa sci-fi focada em memórias e poderes da mente, conspirações políticas e a jornada adolescente típica dos YAs. Não é tarefa fácil criar uma narrativa a nível tão introspectivo que seja convincente o bastante para envolver o leitor, afinal, não há o suporte de ferramentas como cenas épicas de batalhas, dragões ou naves espaciais. Quando pensamos em memórias, é inevitável fazer a correlação entre emoções, afetos, histórico pessoal e familiar, medos, traumas... Sabine, no entanto, vai além disso.


Dons não vêm de graça, mas às vezes o preço a se pagar pode ser alto demais. Mariah é uma Especial que consegue transmutar-se em qualquer memória recolhida de outra pessoa, assumindo diferentes corpos e identidades; Mariah não se lembra mais sequer de quem é. A cada transformação, uma dolorosa perda da sua história, do seu passado e da sua essência.


A trama desenvolve-se de forma densa e muito – muito! – explicativa, forçando um info dumping sem fim, cheio de informações complexas, e, ao mesmo tempo, dispersas: a autora preocupa-se em esmiuçar cada nova informação e desdobrá-la em outras tantas, até que nos vemos afogados em páginas e mais páginas de conteúdo informativo. O ritmo da leitura é bastante prejudicado por tais excessos. Por outro lado, algumas perguntas importantes surgidasno decorrer da história acabam esquecidas: Que mundo é esse? Como a humanidade evoluiu para tal cenário e por quê? Qual o verdadeiro propósito do dom, além do óbvio? O que está por trás de tudo?


A quantidade de elementos e a lentidão com a qual avançamos por Incompletos é agravada por uma escrita contemplativa, onde momentos de ação acabam sendo quebrados por inúmeros trechos de pensamentos e sentimentos das personagens. A falta de diálogos e de ações é um problema sério na estrutura narrativa e no ritmo da leitura. Esse é um recurso interessante por aprofundar as personagens, mas, no fim das contas, traz um prejuízo crítico ao engessar a história e criar distrações indesejadas para o leitor.



As personagens têm várias camadas, mas não são carismáticas. Tive muita dificuldade em me conectar com qualquer uma delas, em especial por não me sentir convencida pelos comportamentos demonstrados por elas, pelas atitudes e motivações e nem mesmo pelo sentimento de que tanto se fala durante o livro. Aliás, faço, inclusive, uma observação: senti-me incomodada pela forma como o amor é tratado na história, sobretudo o amor romântico entre a protagonista e seu par. O que me soou como uma relação absolutamente tóxica e possessiva é traduzida como amor incondicional, mensagem essa bastante perigosa em tempos de tanta mobilização e conscientização sobre o tema.


O esforço de Sabine em nos imergir nesse mundo altamente tecnológico é palpável: Incompletos é rico em detalhes e ambientação. O conceito por trás do livro é incrível, bem pensado, bem elaborado, com ideias muito boas que poderiam render várias possibilidades. A execução, no entanto, foi prejudicada pelos excessos, mas isso não tira o mérito de uma história inteligente. Faltou mais refinamento, isso é certo, e uma mão bastante firme para cortar o que não deveria ter entrado na edição final.


Incompletos foi uma leitura demorada, cansativa, mas também muito válida e criativa. Gostei de ver como os Especiais foram trabalhados, a tecnologia envolvida nas memórias e na transformação corporal e a engenhosidade da autora em pensar em todos esses elementos. Recomendo uma leitura despretensiosa e sem pressa.




Ficha técnica:


Título: Incompletos

Autora: Sabine Mendes Moura

Editora: Presságio

Ano de lançamento: 2017

Páginas: 252

Gênero: Ficção científica/YA


Link de compra:

https://amzn.to/39JBZWT


*Material enviado em parceria com a Presságio Editora



Tags: #literaturaya #leiaYA #youngadult #memórias #editorapresságio #teen #literaturanacional #amonacionais




ficções humanas rodapé.gif

Todos os direitos reservados.

Todo conteúdo de não autoria será

devidamente creditado.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

O Ficções Humanas é um blog literário sobre fantasia e ficção científica.