• Paulo Vinicius

Nausicaa do Vale do Vento

Um evento apocalíptico fez da Terra um lugar inóspito e hostil. Graças à tolice dos humanos, surgem florestas de gás originadas das armas nucleares disparadas uns contra os outros. A princesa Nausicaa vive em um lugar chamado Vale do Vento onde as pessoas aprenderam a usar o poder dos ventos para viver de forma simples. Mas, tudo irá mudar...

Sinopse:


Mil anos após os 7 Dias de Fogo, um evento que destruiu a civilização humana e a maior parte do ecossistema da Terra. A humanidade se esforça em sobreviver neste mundo em ruínas, divididos em pequenas populações e impérios. Isolados um dos outros pelo Mar da Corrupção; uma floresta com plantas e insetos gigantes. Tudo nesta floresta é tóxico, incluindo o ar.


Nausicaä é a princesa do pequeno reino do Vale do Vento, que tenta compreender melhor estas florestas nocivas aos humanos, ao mesmo tempo que tenta salvar seu povo da ação belicosa dos reinos vizinhos.




Começo a série de resenhas especiais sobre o Studio Ghibli com um filme que não é do Ghibli. Nausicaa of the Valley of the Wind é do Hayao Miyazaki e talvez tenha sido um dos motivos para a criação do estúdio. Isso porque os custos e o esforço de produção de um filme com essa qualidade eram altamente elevados. Apesar de ser pré-Ghibli, o filme tem muitas das características da obra como um todo do Ghibli.

A história se passa em um futuro apocalíptico onde a humanidade empregou armas de destruição em massa para a realização de suas guerras. Em um evento chamado Os Sete Dias de Fogo, os homens empregaram gigantes que eram capazes de grande destruição. Mas, com isso, tudo o que os homens conseguiram foi destruir quase todo o ecossistema do planeta. Deixaram para trás terríveis florestas de gás tóxico chamada de Mar da Podridão. Nessas florestas vivem também seres insetóides chamados Ohms que devoram tudo o que existe ao redor até não restar mais nada. Pelo que o filme deixa transparecer os Ohms são atraídos pelo disparo de armas de fogo ou pela ameaça a algum dos seus. Os Ohms aparecem em duas formas: ou como larvas gigantes (são as que mais aparecem) ou como insetos com asas.

A protagonista é a princesa Nausicaa que vive em um lugar chamado Vale do Vento. O Vale do Vento recebe esse nome por conta dos fortes ventos que varrem o lugar. As pessoas de lá aprenderam a empregar o vento em suas atividades cotidianas e até mesmo na agricultura. O nome da protagonista vem de um trecho da Ilíada que fala sobre a princesa dos Feácios que se enamorou pelo grande Ulisses. Mas, nunca teve seu amor correspondido. Entretanto, não é a história da Ilíada que origina a personagem, mas um conto folclórico japonês sobre uma menina que amava insetos. Hayao Miyazaki adora contos folclóricos e ele vai empregar muitos destes elementos do folclore japonês.

A história começa mostrando a habilidade de Nausicaa de compreender os animais. Mesmo em um ambiente perigoso como o Mar de Podridão, Nausicaa se sente à vontade, em casa. Ela gosta de explorar e encontrar coisas novas. Sua filosofia de tratar a natureza com respeito é importante para o andamento da trama. Vamos ver que a postura de Nausicaa sobre proteger os seres vivos é um dos motes da história. A maneira como ela "fala" com os Ohms, como ela sempre procura resolver as coisas de forma pacífica, sem matar, são muito explorados por Hayao.

Vemos um pouco também do Vale do Vento e como as pessoas precisam viver com simplicidade, aproveitando aquilo que a natureza lhes oferece. A Terra está se reconstruindo mesmo após o homem ter abusado tanto do ecossistema. Através das explorações de Nausicaa, os moradores conseguem matérias-primas como cerâmica proveniente da casca de Ohms mortos, água, entre outros. Quando explorava o Mar de Podridão, Nausicaa encontra Lorde Yupa um antigo amigo do Vale do Vento e do pai de Nausicaa que retornou após muitos anos fora. Yupa está em busca de uma lenda que fala sobre um homem de manto azul e caminhando sob um chão dourado que traria a restauração do planeta.

Quando Nausicaa retorna ao Vale do Vento, um grande avião surge no ar, muito danificado e em chamas. Nossa protagonista tenta ajudar, mas o avião está sendo devorado por Ohms e não consegue sustentar a altitude. Quando cai na floresta, tudo pega fogo. Entre os destroços estão um grande ovo vermelho pulsante e uma jovem muito ferida. Ela se identifica como Lastel, uma princesa vinda de Pejite. O ovo posteriormente se revela como sendo um dos gigantes que eram usados como armas pelos antigos humanos. O império de Tolmekian está em busca deste gigante para acabar com os rebeldes de Pejite. E o Vale do Vento está no caminho. Kushana chega com seu exército para reaver o ovo que fora roubado por Lastel e entra em conflito direto com os moradores  do vale.

Não vou falar mais sobre o enredo para não dar muitos spoilers. Mas vou tratar um pouco dos temas do filme (o que pode, sem querer, dar alguns spoilers). Um deles é o fato de o homem maltratar demais a natureza e essa, em algum momento, vai dar o seu retorno. A Lei do Retorno é algo oriundo da filosofia oriental. Devemos sempre tratar o mundo em que vivemos com respeito, caso contrário receberemos tudo de volta. Sempre entendemos isso como algo relacionado ao conceito bíblico de amar ao próximo. Mas a Lei do Retorno é algo muito mais profundo. Se refere a tratar animais e plantas também com respeito. Nausicaa é uma menina especial porque ela entende a importância dos seres vivos para o equilíbrio do mundo. Somente essa consciência por parte da personagem é que vai salvar as pessoas de sua vila dos males que a vão afligir.

Nausicaa entende que os Ohms tem todo o direito de ficarem enfurecidos por conta de nosso comportamento com relação à natureza. Os métodos empregados pelos guerrilheiros de Pejite deixam a protagonista revoltada. Os únicos momentos do filme em que Nausicaa revela alguma violência se passa durante a invasão dos Tolmekians e quando ela viu o filhote de Ohm. Ela tenta de toda forma solucionar a situação entre os Tolmekians, Pejite e o Vale do Vento pela compreensão.

Interessante que Ohm é um palavra usada em meditação pelos indianos. E os Ohms são criaturas que se comunicam enviando mensagens de paz ao cérebro de Nausicaa. A protagonista alcança um estado de profunda compreensão e ligação com a natureza. O propósito da meditação é alcançar um estado em que o homem e a natureza se tornam um só. Tudo feito a partir de técnicas de expiração e inspiração. E essa conexão no filme só acontece quando Nausicaa retira a máscara (que filtra  o ar tóxico do Mar de Podridão) e se comunica diretamente com a natureza.


Outro tema saído da filosofia oriental é o do pacifismo. Aí é necessário primeiro entender que, apesar de Nausicaa ter sido lançado em 1984, o filme já vinha sendo trabalhado por Hayao Miyazaki a vários anos. Era um contexto em que as pessoas queriam o fim das guerras e a compreensão entre os homens. A Guerra Fria entre EUA e a antiga URSS se tornava uma coisa cansativa e as pessoas queriam tocar suas vidas. A cena de Nausicaa abrindo os braços em cima de seu planador e indo em direção aos homens armados e disparando suas ferramentas de destruição me lembraram muito a imagem de Gandhi lutando contra a violência.

A conexão do homem com a natureza também é um tema muito presente na história. O homem não conhece muito do que a natureza lhe tem a oferecer. Na história, todos se afastam da violência do Mar de Podridão, mas quando Nausicaa explora seu interior ela descobre segredos maravilhosos. E principalmente que a natureza sempre encontra maneiras de sobreviver à violência do homem. Mesmo algo  que é altamente nocivo, a natureza encontra meios de reaproveitar e transformar em algo útil para os seres vivos. Uma das mensagens deixadas pelo filme é a de compreendermos e  respeitarmos a natureza (apesar de não o fazermos). Outra mensagem é a de respeitar todos os seres vivos e tentarmos buscar a via da compreensão mútua.

Enfim, Nausicaa é um filme belíssimo por si só. Mas, é uma prévia de como será o trabalho de Hayao dentro do Studio Ghibli. Recomendo a todos verem o filme e curtirem a belíssima animação toda feita manualmente.

Ficha Técnica:


Nome: Nausicaä do Vale do Vento

Diretor: Hayao Miyazaki

Produtor: Isao Takahata

Roteirista: Hayao Miyazaki

Baseado em Nausicaä do Vale do Vento escrito por Hayao Miyazaki

Estúdio: Topcraft

País de Origem: Japão

Tempo de Duração: 117 min

Ano de Lançamento: 1984


Tags: #nausicaadovaledovento #hayaomiyazaki #isaotakahata #topcraft #nausicaa #meioambiente #distopia #mundoapocaliptico #natureza #poderdosventos #ecoguerreira #ficcoeshumanas




ficções humanas rodapé.gif

Todos os direitos reservados.

Todo conteúdo de não autoria será

devidamente creditado.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

O Ficções Humanas é um blog literário sobre fantasia e ficção científica.