• Paulo Vinicius

Diários de Quarentena: Adriana Alves (parte 1)

Atualizado: há 3 dias

Iniciamos mais um diários de quarentena com os relatos de mais uma das minhas alunas do Ensino Médio. Adriana Alves é uma jovem menina que adora quadrinhos de super herói (principalmente a Arlequina) e tem muito a contar sobre tudo.



Olá a todos, estou de volta com a experiência escolar que eu e a agente de biblioteca Paula Martins fizemos esse ano. Em agosto vocês tiveram a oportunidade de conhecer a Letícia Santos, uma menina que curte seus animais de estimação, é fã de mangás e ajuda seus pais. Agora é o momento de conhecer o relato da vencedora do nosso pequeno concurso em que os alunos relatavam os seus dias de quarentena: Adriana Alves. Conheçam mais sobre ela, suas alegrias, tristezas, dúvidas, ansiedades.


Lembrando, gente, eu fiz poucas interferências no texto da Adriana (quase nenhuma). No caso de um diário, eu, como editor, acho essencial manter a fidelidade do texto. Porque ele transmite algo que é especial para a pessoa que escreveu. Portanto, o texto não é meu, é da Adriana. As ideias são dela, assim como seus sentimentos.


Playlist:


Parte 1 (publicado em 24/10)

Parte 2 (publicado em 01/11)

Parte 3 (publicado em 28/11)

Parte 4 (publicado em 05/12)


________________________________________________________________________


05/05/2020

DIÁRIOS DE QUARENTENA, DIA 1 :

Não é realmente o dia um, na verdade, já tem muitos dias, mas eu não sei exatamente quantos, porque tem isso de perder a noção do tempo quando estamos muitos dias presos em algum lugar. Não que estejamos realmente 'presos', mas é como se estivéssemos, certo? Ah, e eu com certeza tenho essa coisa de divagar e fugir do assunto principal, mas é o que se passa na minha cabeça, então acho que está okay.

Então, vamos pensar, porque estou tendo muito tempo para pensar durante a quarentena e já criei muitas histórias na minha cabeça, acho que daria pra escrever um 35 diários especificamente, haha! Enfim, o que mais tenho feito, acredito eu, é assistir séries e ler, não livros normais, mas sim fanfics que são escritas e postadas por pessoas normais (não-escritores-oficiais) numa plataforma de leitura chamada Wattpad, com certeza meu app favorito. E tem essas séries de super-heróis maravilhosos que eu assisto, me divirto e choro junto com os personagens.

A leitura é uma das minhas coisas favoritos no mundo e apesar do que muitas pessoas pensam, ler não é só pegar um livro e passar seus olhos por todas aquelas palavras se perguntando quando aquela tortura vai acabar, mas sim sentir a história, os sentimentos dos personagens e a lição que ela passa, porque sempre tem uma. Para mim, por exemplo, é como estar em outro mundo (uma coisa que sinto quando assisto séries também, porque tem sempre essa continuação que faz a gente se sentir como parte dela), e eu sempre procuro refúgio em outro mundo quando o meu parecer chato, ou triste, ou até mesmo por nada. Mudar de área é simplesmente demais. Então nesse tempo em que não posso fazer nada, além de ficar em casa, estar em outros mundos é essencial.

Ah, e tem as músicas também! Qualquer um que me conhece sabe o quanto eu amo ouvir músicas, e o quanto isso me acalma, também como um refúgio e eu tenho essa capacidade de ouvir músicas enquanto leio (que eu acredito que seja uma, porque as pessoas estão sempre me perguntando como consigo me concentrar na leitura com toda essa batida no meu ouvido). Então meus dias não tão sendo maravilhosos, mas acredito que estou indo bem.

Ontem fui no mercado com a minha mãe e tinha muitas pessoas lá no centro, alguns até despreocupados de usar máscara e eu achei isso tão errado, porque temos que ter esses cuidados por todos nós, apesar da máscara ser realmente incômoda, devo ressaltar. E também aquelas mulheres medindo nossa temperatura e higienizando nossas mãos com álcool em gel em todo lugar que nós entramos. Apesar de ser chato para algumas pessoas (não pra mim, porque eu realmente gosto de esfregar álcool em gel nas minhas mãos), é necessário. E hoje o que fiz realmente foi assistir Crise Na Terra X, que é um crossover anual com os super-heróis do Universo Arrow (Supergirl, The Flash, Lendas do Amanhã, o próprio Arqueiro-Verde e futuramente Batwoman) e ler uma fanfic maravilhosa sobre um casal lésbico do Universo da Supergirl que realmente consegue mexer com os meus sentimentos. Fora isso, comi muito e dei alguns gritos com a minha sobrinha bagunceira, nada realmente interessante. Com isso eu concluo a primeira página de relatos da minha semana que, com certeza, vai ser chata.

Ass: Adriana Alves

06/05/2020

DIÁRIOS DE QUARENTENA, DIA 2:

Então aqui estamos nós, no dia dois que, na verdade, não é o dois de quarentena. Isso pareceu engraçado quando pensei em escrever, mas vendo agora, não foi realmente engraçado, foi triste, ou talvez eu esteja apenas exagerando. Enfim, estou fazendo isso de novo, mas acho que não aconteceu nada realmente diferente do dia de ontem… Ah, teve esse irmão de uma conhecida minha que morreu de Covid-19 e isso me fez pensar no perigo grande que nós corremos e o quão devemos ser cuidadosos, porque ele morava em algum lugar perto daqui e nós sabemos que ele não foi o único.

Cortando o papo triste e desmotivador, eu estive lendo umas HQs das Sereias De Gotham, porque fiquei viciada em Super-Heróis nessa quarentena, haha! Eu literalmente estive fazendo isso durante o dia inteiro, até me lembrar que tinha um trabalho de Filosofia pra entregar no dia seguinte, aí eu fui fazer ele. Antes disso, eu estava com raiva da minha leitura, apenas me perguntando porque a Arlequina sempre tinha que voltar para aquele psicopata do Coringa. Quer dizer, ele já tentou matar ela tantas vezes que nem consigo contar nos dedos e a dependência que ela tem por ele me deixa triste. Eu agradeço pela emancipação dela num futuro próximo em Aves de Rapina, porque ela é uma mulher incrível que não merece isso. Essas histórias mexem mais comigo do que vocês podem imaginar.

Como eu sei que eu terei pessoas lendo isso depois, fico feliz em expressar minha humilde opinião de que o Coringa é um babaca psicopata que, na verdade, odeia a Alerquina e, apesar de ter gostado muito do filme Esquadrão Suicida, fiquei com muito ódio por eles terem romantizado tanto o relacionamento deles, já que não é nada assim.

Também estive pensando na série que eu estava assistindo e que estava viciada. Assisti três temporadas completas, mas não consegui ir para a quarta, porque tinha muitas coisas assustadoras e eu não consigo lidar com nem um pouco de terror. Isso foi uma coisa que me deixou triste, porque além de ser uma distração maravilhosa, eu gostava demais dela e agora eu não posso fazer isso porque sou uma medrosa, aff!

E teve aquela história que estou lendo no Wattpad, do universo da Supergirl, sabe? E como todas as outras coisas que eu citei aqui nessa página, está em um momento triste . Não sei o que há com esses escritores e seus sentimentos negativos. Eu tenho essa mania de parar a leitura quando algo que não me agrada fica lá por muito tempo. Uma vez, li uma história que tinha um romance tão tóxico, que não consegui chegar a metade do livro pra saber se o casal ia ficar bem, porque não conseguia parar de pensar no quão eu gostaria de socar a cara da escritora e dos personagens. Pode parecer engraçado agora, mas aquele livro me estressou em um nível master ! Voltando a fanfic que estou lendo, espero que esse momento triste e irritante não demore muito, porque é uma história muito boa e eu quero mesmo saber o final dela.

Enfim, resumindo, meu dia foi basicamente passar ódio e amor com as HQs e fazer trabalhos da escola. Nada muito diferente do dia anterior, mas apesar disso, foi mais um dia de quarentena, e eu me sinto feliz por ter passado por ele sem muitos problemas.

Ass: Adriana Alves.

07/05/2020

DIÁRIOS DE QUARENTENA, DIA 3:

Olá! Aqui estou eu de novo, absolutamente entediada, porém feliz por estar bem.

Cara, eu estive com um complexo muito louco na minha cabeça durante o dia todo, então acho que vou começar por isso. Então, ontem eu estava falando com a minha vizinha de sete anos, ela queria me mostrar alguma coisa e como eu não estava saindo pra rua, ela estava ansiosa por isso. Eu estava indo até a padaria, devidamente protegida, devo ressaltar, e ela tinha essa coisa que queria me mostrar, então eu me abaixei por alguns minutos para ver o que era, só que esses minutos se estenderam conforme todas essas histórias que ela tinha pra me contar, então eu continuei agachada por longos minutos. Aí veio o problema, quando eu finalmente me levantei, inicialmente, eu não conseguia sentir minha perna direita, e ficou assim por alguns segundos até que ela começasse a doer e eu colocasse meu pé no chão, sem conseguir me firmar realmente. Óbvio que eu entrei em desespero na hora, mas passou rápido, daí eu fui até a padaria e depois voltei pra casa. Então depois de muito tempo, eu fui ler as HQs que eu citei no dia de ontem (ódio pelo Coringa e tudo mais), e aí eu senti como se tivesse alguma coisa dentro da minha perna querendo sair, sabe? Pulando insistentemente. Mas como isso também passou rápido, acabei não ligando. Até que chegou a hora de dormir, e eu estava muito bem no meu sono, até sentir aquela coisa na perna de novo e acabar acordando. Foi horrível, porque eu não sabia o que era e quando coloquei a mão no lado direito da minha panturrilha, senti aquela pulsação constante na ponta dos meus dedos e foi aí que eu entrei em um desespero real. Óbvio que eu fui correndo chamar minha mãe, porque ela sempre tem a resposta de tudo. Quando eu expliquei pra ela o que tinha acontecido, primeiro ela achou que fosse coisa da mina cabeça, mas como eu insisti e mostrei que poderia ser real, mesmo não sentindo mais aquilo depois de mover minha perna, ela chegou a conclusão de que eu tinha forçado minha perna em algum momento e como eu não tenho feito exercícios, meus músculos estavam "enferrujados" e isso o levou a ter espasmos. E bom, parece ser exatamente isso. Só que agora já está de noite e estou prestes a dormir, senti isso várias vezes no dia. Até cheguei a pesquisar na Internet, chegando ao mesmo resultado que minha mãe falou. Eu provavelmente já tomei quase toda a página falando dessa situação, mas como foi exatamente isso que esteve na minha cabeça durante o dia inteiro (com todo o medo e desespero de ser algo mais grave que vocês possam imaginar), acho que é válido.

Apesar de tudo isso, eu estive lendo muitas HQs da Arlequina e pesquisando sobre ela, enquanto estava horrorizada com aquela sensação na minha perna, e achei muitas coisas legais. Parte disso, acho que é só desespero por querer que ela se livre do Coringa logo, mas realmente há coisas muito divertidas nas revistas dela, eu estou amando. Ah, e eu também tive tempo de assistir um filme antigo do Batman que minha mãe jurava ser maravilhoso, mas que acabou sendo incrivelmente chato (tirando as partes da Mulher-Gato, porque ela é incrível e do Pinguim) e com efeitos de doer os olhos, até minha mãe reconheceu isso no fim, haha! Nossos dias de "cinema" juntos sempre são uma loucura, porque as vezes nem todos gostam do filme, o que é normal, mas não é só isso. Minha família é muito escandalosa e meu irmão e minha sobrinha não conseguem calar a boca, por mais que estejam prestando atenção no filme, então são momentos regados de gritarias minhas com eles, comentários altos sobre o filme, da minha mãe, e discussões bobas e chatas com a minha irmã por qualquer coisa que nós discordamos do filme. Porém, no fim, sempre vale a pena.

Eu, meus irmãos, minha sobrinha e minha mãe tivemos esse tempo em família assistindo esse filme e depois falando mal dele. Meu dia não foi nada animador, mas foi mais uma vitória nessa quarentena entediante e paranoica.

Ass: Adriana Alves.

08/05/2020

DIÁRIOS DE QUARENTENA, DIA 4:

Olá, olá! Estar por aqui de novo é engraçado, porque sinto como se eu estivesse escrevendo para um grande público. Acho que tenho esse espírito de escritora, haha!

O dia de hoje foi basicamente normal para alguém que está apenas ficando em casa, ainda mais porque hoje fez algum frio, então estive mais tempo do que eu tenho normalmente debaixo das cobertas lendo. Minha mãe costuma passar no quarto e mandar eu abrir as janelas, e eu sempre me recuso, e ela acaba fazendo isso por si mesma e me chama de vampira, o que faria algum sentido se, ao mesmo tempo em que eu quero estar deitada, eu não quisesse também, desesperadamente, sair da minha casa. O que me resta é ficar com os quadrinhos e as fanfics.

E cara, eu estava tão complexada com o problema nos músculos ontem, que até esqueci de citar que assisti o novo episódio de Supergirl que saiu no dia três e eu tenho apenas uma coisa a dizer sobre essa série: está indo de mal a pior! Afinal, quem, com meia inteligência, não saberia que o Arcos da Lapa fica no Rio de Janeiro e não em São Paulo?! Estão vendo? Inaceitável! Minha revolta poder ser demonstrada pela quantidade de pontos de exclamação nos versos acima. E quanto ao 'problema dos músculos' foi meio resolvido com uma pomada para dores musculares que minha mãe usa para dor nas costas. Santa pomada salvadora de vidas!

Então sem esse problema, eu estive apenas concentrada nessas HQs sanguinárias da Arlequina. Em algum momento do dia, minha irmã foi até uma mercearia e trouxe biscoitos, isso foi muito bom. No entanto, ela estava reclamando que a máscara tinha feito ela suar muito e que a adolescente que a atendeu e que um dia riu de nós duas porque estávamos usando máscaras, estava usando máscara também. Ela parecia triunfante em me contar que riu da menina também. Eu fiz apenas concordar e pedir para ela não ser tão emocionada sobre isso. Acho que no fim, estamos todos procurando por apenas um pouco de emoção nesse momento.

Estive durante algum tempo no Twitter, para saber as novidades sobre os famosos ou até mesmo sobre política, porque as pessoas estão muito centradas e preocupadas com isso no momento. Não que não estivessem antes, afinal, estamos passando por todas essas coisas difíceis em nossa administração governamental. Uou, isso soou bem sério, haha! Enfim, acabei encontrando muitas coisas interessantes. Entre elas, algo sobre assexualidade e a importância dos sentimentos e também sobre o quanto a maioria de nós saímos feios em nossa foto da carteira de identidade. Nessa última parte até mesmo eu estou dentro. A história do dia em que tirei minha carteira é engraçada, então vamos lá!

Foi em algum momento de 2017, e eu tinha acabado de completar 15 anos. Eu precisava ter uma identidade logo, porque queria me inscrever em um curso (que acabei nem passando, mas já superei), e não houve motivos para eu ter uma carteira antes, pelo menos acho que não. Nessa ocasião, minha mãe não poderia ir comigo e como na época eu era uma menina presa, fiquei horrorizada com a ideia de ter que ir até o Shopping Pátio Mix. Acabei tendo a ideia de convidar uma amiga pra ir comigo, mas justo no dia, ela nunca apareceu e ainda guardo ressentimentos por isso. Depois, eu estava desesperada quando o horário de sair estava próximo e eu teria que fazer aquilo sozinha, isso desencadeou uma onda de choros e soluços assustados que até fez com que o motorista deixasse eu ir até o Shopping de graça! Quando eu finalmente cheguei, quase em cima do horário marcado, uma pessoa, que na época era importante para mim, estava lá por mim e eu fiquei muito feliz, no entanto isso não fez com que o inchaço e o vermelho dos meus olhos pelo choro de mais cedo desaparecessem, então tenho esta foto penosa e chorosa na minha identidade. Essa é minha história, pessoal, triste e revoltante.

Depois de tudo isso, que eu não quis dizer, escrever, tanto faz, mas eu fiz, eu concluo mais uma página, feliz por terminar mais um dia bem.

Ass: Adriana Alves.

09/05/2020

DIÁRIOS DE QUARENTENA, DIA 5:

Chegamos em um sábado em?! Mais um fim de semana que se parece como todos os outros dias da semana quando não estamos olhando no calendário. Antes, finais de semana eram como chuva em um calor de 40C°, afinal, todos estávamos sempre ansiosos pelos dias em que finalmente poderíamos apenas ficar em casa sem fazer nada. Agora parece chato e normal, a única diferença notável por aqui é meu padrasto, que trabalha como carpinteiro em uma empresa durante a semana e fica em casa nos finais de semana. Parece bom pra alguém que está sendo obrigado a trabalhar longe durante uma pandemia.

Eu costumava ir a casa da minha avó aos sábados principalmente, apesar de estar sempre por lá, mas agora estou prezando muito pela saúde dela, ficando apenas por aqui me distraindo com o que tenho. Poderia dizer que esse dia foi igual a qualquer outro, mas surpreendentemente, não passei ele deitada em minha cama lendo ou assistindo alguma coisa, estive apenas tendo esse tempo com meus irmãos e minha sobrinha assistindo videoclipes e desenhos na televisão da sala. Como previsto, isso rendeu diversas discussões nossas e muitos comentários e conversas engraçadas, mas acho que é isso que se espera de uma família; cumplicidade, felicidade e até mesmo discussões bobas, haha! Nós todos nos amamos apesar de tudo.

E foi um sábado ao qual eu não acordei com os funks melody do meu padrasto, porque todo fim de semana ele acorda mais cedo do que qualquer um aqui em casa e fica escutando essas músicas em um volume inaceitável. Quer dizer, com o passar do tempo nós nos acostumamos, mas eu não fico menos irritada. Acordei com as conversas chatas da minha sobrinha com meu irmão mais novo, no entanto. Oh, e antes de contar os eventos finais do meu dia, devo ressaltar que minha maravilhosa mãe fez arroz doce (arroz com leite para alguns), uma coisa que eu tinha pedido a ela há algum tempo e isso com certeza foi um ponto alto em meu dia! Depois de todas essas emoções, decidi, já de noite, que estava na hora de eu voltar para meu mundo encantado e às vezes decepcionante, das leituras. Como eu estava apenas fazendo coisas diferentes no meu sábado, decidi que iria voltar aquela fanfic que citei na semana passada, que estava em um momento triste e acabei realmente presa em como os eventos tristes estavam dando total sentido a história. Afinal, não é fácil perdoar alguém que traiu sua confiança mesmo sabendo que uma das únicas coisas que realmente podem te destruir é uma traição, fosse pelo que fosse. A tal traição que ocorreu na história não foi como aquelas em que se trai um alguém com outro, mas sim, uma em que se desenvolveu quatro anos de confiança e que uma das partes mentia gravemente sobre si mesma e isso merece seu tempo negativo. Na parte em que eu parei, a amizade parecia ainda ter alguma esperança, assim como o amor, então eu estou apenas animada sobre isso de novo. O sono já está pesando em minha mente, então eu digo: aproveite este tempo que vocês estão tendo com quem vocês gostam, porque é o que eu estou fazendo e tenho pouquíssimas reclamações, haha!

Ass: Adriana Alves.

10/05/2020

DIÁRIOS DE QUARENTENA, DIA 6:

Well , mais um dia de quarentena concluído. Dia das mães, huh? Esse dia foi bom para mim, eu acho. Não é como se tivéssemos ido até a casa da mãe do meu padrasto para um almoço como todos os outros anos, mas ficamos bem com o almoço especial que minha mãe fez. Oh, e tem uma coisa, eu preciso falar disso. Durante o almoço, nós assistimos a um filme chamado Jojo Rabbit, sobre um garotinho nazista que tinha orgulho de ser um, até conhecer uma judia que a mãe dele escondia dentro da casa deles, foi emocionante. Teve todo esse desenrolar engraçado entre o nazista mirim e a judia, porque apesar de ser um assunto sério, o filme tinha um toque de comédia. Até que chegou essa parte triste que me fez chorar no momento e só de lembrar meus olhos ardem novamente. Quando se trata de filmes que relatam o tempo nazista e todo o sofrimento que os descendentes de outras raças, homossexuais e principalmente judeus passaram, não consigo não chorar , porque apesar de serem cenas, é algo que sei que já aconteceu um dia, e teve todas essas crianças e famílias que morreram por nada. É tão triste pensar sobre isso. E eu estive o resto do dia tentando segurar minhas lágrimas ao lembrar de tal coisa.

Fora isso, acho que só li outra fanfic que relatava um lindo amor de infância. Sabe, algumas pessoas dizem que crianças não se apaixonam de verdade, mas tenho dois relatos sobres meus irmãos que provam o contrário. Um dos meus irmãos mais velhos esteve apaixonado por uma garotinha quando ele tinha apenas seis. Eu não era nascida na época, na verdade estava bem longe de vir, mas minha mãe adora contar essa história. Ela diz que essa garotinha saía para andar de triciclo no quintal todos os dias e meu irmão ficava apenas lá sentado a olhando, algumas vezes falando com ela. No entanto, era notável o olhar de admiração e ele estava sempre por lá para observá-la. Sempre achei essa história um doce. E quanto ao meu outro irmão, dessa vez o mais novo, que no momento tem apenas dez, ele tinha uma paixão platônica pela namorada do meu outro irmão que, na época, já era uma adulta. Ele tinha cinco e toda vez que ela vinha, ele tomava banho e ficava todo tímido ao falar com ela, era um doce também. Quanto a mim, não me lembro de ter tido algum amor de infância, acho que estava mais preocupada em brincar do que qualquer outra coisa.

Acabei vendo uma coisa que me deixou animada, são essas apresentações de bandas antigas e acho que se eu vivesse nos anos mais antigos, Backstreet Boys , Menudos e Dominó seriam a minha boyband! Qual adolescente não teve sua boyband favorita? Eu mesma morria por One Direction, e ainda temos as girlbands , que para mim seriam as Paquitas e as Spice Girls , elas eram maravilhosas. Em algum momento de 2016, prometi a mim mesma que deixaria esse lance de grupos de cantores de lado, depois da decepção que tive com One Direction e Fifth Harmony , mas elas são as melhores! Apesar das decepções no fim, tive o melhor deles enquanto banda, então acho que faria de novo, mesmo que isso signifique virar fã de algo que está fadado a ter algum fim decepcionante. Devo concluir essa página desejando um Feliz Dia Das Mães para todas essas mulheres maravilhosas que realmente cuidam de seus filhos e também um fim para toda essa coisa que estamos passando. Nesse tempo em casa é que vemos como amigos e familiares são importantes para nós, porque a falta que eles fazem é dolorosa.

Ass: Adriana Alves .

11/05/2020

DIÁRIOS DE QUARENTENA, DIA 7:

Olá! Veja, hoje me sinto particularmente desanimada sobre escrever aqui. Não tive basicamente nada emocionante no meu dia. Posso tentar adicionar algumas coisas que passaram pela minha cabeça, porém.

Mais cedo, um pouco depois de acordar, eu estava terminando de ler aquela fanfic sobre o amor de infância que apesar de ter tido partes que conseguiram atrapalhar meu sono durante à noite, terminou de um jeito absolutamente adorável, quando de repente, meu irmão mais novo veio correndo me avisar que tinha alguém brigando na rua. Obviamente fui até o portão para dar uma olhada, afinal, quem não iria? Descobri que uma amiga minha que mora na rua de baixo estava tendo sérios problemas com sua irmã e depois de um tempo, a encontrei na rua quando estava indo na padaria e nós conversamos um pouco.

Depois disso, eu estava apenas mexendo no meu celular durante o dia. Vi algumas publicações engraçadas e algumas interessantes no facebook, mas o que sem dúvidas chamou minha atenção foi um post que uma das minhas tias fez; nele havia três fotos um pouco antigas da minha avó, mãe da minha mãe. Ela, Rosalina, morreu já faz dez anos e eu me lembro disso. Acho que tinha sete quando aconteceu, mas consigo me lembrar perfeitamente de como ela era, de seu sorriso e sua voz. Era uma ótima vó e era divertida também. Lembro-me de quando ela estava prestes a ser enterrada e eu não tinha muita noção e não saberia dizer porque todos os meus familiares estavam chorando. Quer dizer, ela estava ali deitada de olhos fechados e eu até mesmo fiz carinho no rosto dela, parecia normal para mim. Depois de um tempo, quando eu soube o que aquilo realmente significava, nunca mais consegui ir a nenhum enterro, me dava dor de barriga só de pensar. Saber que eu nunca mais poderia ver aquela pessoa doía e eu não queria passar por aquilo outra vez.

Durante algum momento, tive a ideia de recomeçar a escrever algo além desses diários, porque sei que há pessoas que gostam das minhas ideias e do modo que as escrevo, mas não consigo fazê-lo sem abandonar a história antes de chegar ao meio. Algo me impede de dar uma continuação decente a qualquer história que começo e eu gostaria de resolver este problema de falta de criatividade, quando na verdade, já tenho todo o desenvolvimento na minha cabeça, só não sei como colocar no papel. Isso é ruim em muitos pontos, pois sei que não posso escrever mais de três textos completos. Quando se trata desse diário, no entanto, sempre posso continuar, porque é sobre mim que estou falando e sempre tem algo sobre mim, por menos importante que seja, que preciso compartilhar. Escrever aqui é como conversar com um amigo.

Como esperado, não foi algo que eu quis muito fazer e sinto que devo deixar claro porque não quero ser desagradável sobre isso, mas foi bom, escrever é sempre bom. Enfim, fico feliz por estar bem e por ter concluído mais um dia.

Ass: Adriana Alves .

12/05/2020

DIÁRIOS DE QUARENTENA, DIA 8:

Hey! Achei tanto que hoje fosse uma segunda que acabei de levar um susto quando olhei a data no celular. Uma terça com cara de reiniciação, todos os dias são. Li em alguma revistinha hoje sobre um cara que não acreditava em calendários. Ninguém sabia sua verdadeira idade, pois ele não comemorava aniversários. De acordo com ele, você faz o seu próprio tempo. Achei apropriado para essa quarentena.

Hoje passei praticamente a manhã inteira procurando novos quadrinhos da Supergirl e depois procurando o episódio novo de Supergirl legendado. Eu costumava ter uma admiração muito grande por essa série, mas com passar do tempo, descobri coisas sobre o elenco e cenas na própria série que me fizeram perder um pouco do encanto. É como um fandom (grupo de pessoas que admiram algum artista) que já participei uma vez, lotado de brigas e desacordos, mas estou aqui de novo. E há alguns que dizem que estou do lado errado, porque geralmente, temos que ficar do lado do protagonista, mas assim como eu, há muitos fãs da série que simplesmente estão ao lado de Lena Luthor. Esse sobrenome, Luthor, as pessoas o reconhecem como mal, mas não em Supergirl, não com a Lena, então estamos apenas sendo sinceros aqui.

Fora toda a briga, tive um tempo dando banho e fazendo um penteado em minha sobrinha que ela amou e depois minha irmã estava lhe mostrando vídeos educativos, já que ela não vai pra creche tão cedo. Por falar nisso, algo que me preocupa muito é a escola. Quer dizer, eu sempre tinha reclamações sobre ela, para ser sincera, mas sinto como se estivesse perdendo um ano que seria dos melhores para mim, o terceiro e último ano do ensino médio. Obviamente tivemos pouco tempo de aula antes dessa coisa "explodir", mas mesmo assim, acabei conhecendo pessoas legais e agradáveis que podiam vir a ser meus amigos no futuro, mas parece que isso tudo foi destruído. Tanto a emoção de estar no último ano na escola, quanto todas as atividades legais e amigos novos que eu poderia ter.

Durante algum tempo, estive voltando aquela fanfic que citei aqui algumas vezes, que falava sobre confiança, amor e tudo mais. É uma história muito bonita, diga-se de passagem. O modo bonito como a escritora retrata os detalhes dos sentimentos das personagens é incrível! É como se eu realmente pudesse me sentir com elas estão se sentindo em determinados momentos. Eu certamente tive alguns amores na vida, um único que realmente pude sentir que era verdadeiro e eu tinha apenas 14 anos. Às vezes, me pergunto como eu sabia que aquilo era realmente amor, mas quando me lembro, mesmo que eu não sinta mais nada sobre isso hoje em dia, é como uma lembrança sentimental. Posso me lembrar de como eu me sentia naquela época e isso parece amor verdadeiro para mim. Mas aí vem a pergunta,: um amor verdadeiro, ele se acaba ou para sempre tem essa pontinha acesa? Certamente ainda não tenho uma resposta para isso, mesmo me baseando nos meus próprios sentimentos, já que nem mesmo sei dizer se foi verdadeiro ou não. Espero que alguém possa me responder um dia, no entanto.

Acho que essas sentenças acima foram profundas demais para alguém que só estava buscando entender, como eu, então vou ficando por aqui, agradecendo por tudo. Vejo você amanhã, meu melhor ouvinte.

Ass: Adriana Alves.

13/05/2020

DIÁRIOS DE QUARENTENA, DIA 9:

Ora ora se não sou eu de novo, uma adolescente de dezessete que anos que acha que o melhor modo de se entender é escrevendo?

Não tive muitos momentos diferentes no meu dia, mas começo dizendo que passei parte da manhã e começo da tarde jogando Minecraft , afinal, qual jogo melhor para explorar lugares desconhecidos e descobrir itens que você provavelmente só saberia da existência pesquisando? Tive o maior conhecimento sobre pedras e árvores com esse jogo! Lembro que quando tinha 14, eu e minha irmã só jogávamos ele, brigávamos a maioria das vezes, mas conseguíamos fazer isso pelo dia todo. Hoje, em minha profunda exploração, descobri uma nova Obsidiana que está aparecendo por todo o lugar no mapa, isso me deixou animada para uma longa e centrada exploração no futuro.

Parte da tarde, fiquei procurando séries com temas diferentes para eu assistir, sinto que estou me viciando nesse lance de Super-Heróis e nada que é demais, é bom. Acabei encontrando essa série que já cheguei na segunda temporada maratonando hoje. Não me julguem, tenho o dia todo livre, posso assistir temporadas inteiras em um dia só. Ela conta a história de duas melhores amigas que, por um engano, acabam sendo confundidas como namoradas e uma delas gosta da ideia para aumentar sua popularidade na escola, o que é totalmente sem noção, na minha opinião. A outra, por se sentir pressionada, acaba aceitando, mas tudo fica uma loucura quando ela acaba se apaixonando de verdade pela melhor amiga. Já vi muitas histórias assim, que duas pessoas fingem estar juntas e acabam se apaixonando, só que a diferença é que uma delas é hetero e aí tudo fica complicado. A série consegue contornar isso de um jeito divertido e sentimental, no entanto, eu gostei.

Também tentei começar a escrever uma nova história hoje, como sempre, já tinha toda uma noção de como seria o desenvolvimento na minha cabeça, mas na hora de escrever, não gostei de como fiz. As descrições e os diálogos não parecem comigo, sinto como se outra pessoa estivesse escrevendo no meu lugar. Estou realmente tentando melhorar, afinal, só escrevi o primeiro capítulo, mas minha motivação sempre vai por água abaixo quando me animo para fazer uma coisa e ela não sai nada como o esperado. Ainda tem o fato de que está sendo super difícil estudar pela plataforma e isso está enchendo minha cabeça. Ontem fiz minha inscrição para o Enem, mas não consigo me sentir animada sobre isso, como me senti antes quando pensava nesse dia. Não sei nem mesmo como conseguir fazer as matérias da escola sem o suporte dos professores, quem dirá estudar para o Enem junto de tudo isso? No entanto, estou prometendo a mim mesma que vou me esforçar. Tenho metas a cumprir e não vai ser um ano ruim que vai estragar isso.

Acho que já tive o suficiente por hoje. Espero que todas as pessoas que eu amo estejam se cuidando, assim como eu. Mais uma despedida para meu ouvinte mais importante.

Ass: Adriana Alves.

14/05/2020

DIÁRIOS DE QUARENTENA, DIA 10:

Hey! Acreditam que eu tive que apagar várias palavras das outras páginas enquanto as escrevia porque passavam do limite da página e hoje descobri que é porque eu não coloquei em modo Ofício quando escrevi? Estou revoltada com minha própria burrice, agora não posso nem mesmo corrigir isso porque já foram apagadas e não tem mais volta, que ódio!

Isso me lembrou uma vez, em 2016, que escrevi uma fanfic que tinha uma história muito legal e já estava bastante desenvolvida, mas em algum surto meu, acabei a apagando e não tinha mais como recuperá-la. Nunca consegui a escrever de novo e me arrependo muito por ter feito isso.

Vamos ver, de manhã eu descobri que algumas vizinhas minhas estavam brigando por minha causa e eu fiquei tipo???? Sabe, não entendo porque elas não podem simplesmente me deixar em paz, já que o problema claramente não sou eu. Basicamente, me dou bem com todos aqui na minha rua, a não ser duas mulheres fofoqueiras e homofóbicas, a avó da minha ex-melhor-amiga e ela própria. A tal e a avó dela estão sempre arrumando algum jeito de encher minha cabeça e eu não ligaria, se isso não afetasse minha amizade com as irmãs dela. A questão aqui é: se me dou bem com todas as crianças aqui da rua e ela não fala mais com nenhum deles porque em algum momento ela estragou a amizade com eles, o problema é totalmente com ela. Eu só quero paz para minha vida. Minha mãe costuma dizer que eles tem muita perturbação na cabeça e por isso não conseguem me esquecer. No fim, acho que concordo com ela.

Não li nada hoje, mas passei um bom tempo no Twitter me divertindo com as coisas malucas que as pessoas postam por lá. Twitter com certeza é a minha coisa. Adoro como lá tem tudo sobre as coisas que eu gosto e toda aquela comunidade de adolescentes inteligentes com opiniões diversas, é simplesmente bom demais. Assisti a uma Live de uma das minhas cantoras favoritas no YouTube hoje. Lauren Jauregui tem uma voz tão boa de se escutar que até minha mãe é meu irmão vieram assistir comigo. Minha irmã estava na sala assistindo junto com a minha sobrinha no celular dela. Acho que todos nós gostamos de Lauren Jauregui aqui em casa, afinal. Depois disso, tive muito tempo falando sobre isso no Twitter. Ela estava entre os assuntos mais comentados do mundo e não era para menos.

Pelo resto do dia fiquei assistindo aquela série que comentei, acho que estou oficialmente viciada. Porém, a parte de ruim de estar apaixonada por essa série, é que ela foi cancelada em 2016 quando estava na terceira temporada, estou sofrendo com isso. Acredito que o melhor modo de afogar a tristeza é assistindo mais alguns episódios, haha!

Concluo isso aqui dizendo: não sejam odiadas por pessoas que gostam muito de brigar, porque eu o fiz e está sendo esse inferno há quatro anos.

Ass: Adriana Alves.

15/05/2029

DIÁRIOS DE QUARENTENA, DIA 11:

Olá! Hoje é aniversário do meu padrasto!! Ele entrou na nossa vida quando eu tinha 3 anos e agradeço muito por isso. Sabe o que é engraçado? Minha irmã mais velha, meu irmão mais velho e meu padrasto fazem aniversário em Maio, temos uma legião de geminianos por aqui, haha!

Vamos a meu dia normal; hoje de manhã assisti dois filmes, há algo sobre assistir filmes de manhã que eu gosto muito. É como se o tempo não estivesse passando e eu só noto mesmo que passou quando sinto fome. Os últimos filmes antes desses que assisti de manhã foram Vingadores Guerra Infinita e Homem De Ferro, eu estava tão animada sobre como as histórias dos personagens se cruzavam mesmo em filmes diferentes até chegar em Vingadores Ultimato que dormia e acordava assistindo filmes da Marvel, foi uma loucura. Devo ressaltar minha grande mágoa por ter essa pandemia e ser cancelado o lançamento do filme novo da Viúva Negra. Sério, ela ia ter um filme só para ela! Só de pensar me dá vontade de chorar. Mas voltando a hoje de manhã, assisti Jumanji Próxima Fase e Dolittle, dois filmes muito bons e recomendáveis.

Depois disso só tive decepções. Resolvi dar uma olhada nas matérias que o professor de matemática havia lançado na plataforma e tentar fazer algumas delas, passei a tarde toda sofrendo com Geometria Analítica. Parando para pensar, não é tão difícil, mas tinha toda essa coisa de eu nunca ter estudado essa matéria antes e não ter alguém para me explicar. Minha mãe foi de grande ajuda, na verdade, mesmo que não tenha entrado no Ensino Médio, ela se esforça para tentar entender e me ajudar e aprecio muito isso. De fato passei a tarde toda estudando, e ainda o fiz na sala ouvindo músicas na televisão, então sempre tinha algo para comentar, além do fato das crianças estarem lá fazendo bagunça por quase todo meu tempo de estudo.

Também assisti há alguns vídeos de músicas de desenhos que tenho e sempre reflito sobre as músicas de Steven Universe, acho que é um desenho muito inteligente, sempre mostrando como a inclusão e o amor são importantes. No filme há uma música que diz: "Mostre a solução do problema, o mais difícil farei, mas conto com você." e sou simplesmente apaixonada por ela, porque apesar de toda a letra bonita, esse trecho já diz muito sobre o que é falado. A música se chama "Verdadeiro Amor", viram só? É perfeito!

Terminando o dia como sempre assistindo séries, aquela mesma que já comentei e ainda não terminei. Fico triste em saber que depois que acabar não haverá mais, então tento apreciar ela da melhor forma possível. Ela se chama Faking It, o que faz todo sentido, já que o que eles mais fazem por lá é mentir, às vezes me sinto angustiada com isso, mas posso superar.

Depois dos meus relatos meio rasos para como escrevo geralmente, meu conselho é: tente não perder sua mente, pois sei que pode ser difícil, apenas isso.

Ass: Adriana Alves.

Tags: #diáriosdequarentena #adrianaalves #quarentena #ensinomédio #relato #diário #ficçõeshumanas

ficções humanas rodapé.gif

Todos os direitos reservados.

Todo conteúdo de não autoria será

devidamente creditado.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

O Ficções Humanas é um blog literário sobre fantasia e ficção científica.