• Amanda Barreiro

Desafio Ficções: Glória e Ruína (Graça e Fúria vol. 2), de Tracy Banghart

Na conclusão da duologia Graça e Fúria, seguimos as dolorosas consequências do plano de Asa para se tornar comandante e o significado disso para Serina e Nomi.


Sinopse:


Na continuação de Graça e Fúria, Serina e Nomi Tessaro vão dar início a uma revolução que vai mudar a vida de todas as mulheres de seu país. As irmãs Serina e Nomi Tessaro nunca imaginaram que acabariam em lugares tão distintos: Serina em uma ilha-prisão, Monte Ruína; Nomi no palácio de Bellaqua, como uma graça, à disposição do príncipe herdeiro do reino. Depois de sofrer uma grande traição, Nomi também é mandada para a ilha e, ao chegar lá, para sua surpresa, encontra Serina à frente de uma rebelião das prisioneiras contra os guardas.


Agora as irmãs têm um objetivo em comum: mudar o funcionamento de toda a sociedade. Além disso, elas sabem que Renzo, gêmeo de Nomi, está em perigo. Relutantes, elas se separam mais uma vez, e Nomi retorna à capital, enquanto Serina permanece em Monte Ruína para garantir que todas as mulheres encontrem um lugar seguro para viver. Só que nada sai como o planejado ― e as duas vão ter de enfrentar os seus maiores medos para mudar o país de uma vez por todas.


Glória e Ruína


Alerta: contém spoilers do volume anterior.


A revolução é necessária, mas nem sempre é bonita. Glória e Ruína se apoia inteiramente sobre essa base e levanta questões como escolhas, sacrifícios, justiça e liberdade. Em retrospecto, Graça e Fúria entregou o despertar da consciência para a reivindicação de direitos e de uma sociedade igualitária para as mulheres de Viridia, e apesar de tê-lo feito de forma superficial e, de certa forma, juvenil, o propósito foi convincente o suficiente para levar o leito até sua continuação. E foi aí que as coisas começaram a desandar.


Após o golpe de Asa para tomar o palazzo e o banimento do herdeiro Malachi e de Nomi para Monte Ruína, Viridia tomou rumos ainda mais obscuros, especialmente no que diz respeito às mulheres. Antes graças escolhidas como cortesãs e amantes, agora as mulheres do reino são arrebatadas de sua família para uma vida medíocre de abusos sexuais no palazzo. O que era desprezível torna-se aversivo nas mãos de um ditador ambicioso e sem limites.


Em Monte Ruína, as coisas não estão tão mais fáceis para Serina, ao descobrir que lutar contra os homens foi apenas o início da enorme lista de provações necessárias para comandar as mulheres que acreditam em suas palavras.


"Ela devia saber que, em Monte Ruína, sobrevivência significava dor."

Primeiramente, é necessário destacar que de todos os personagens, Serina foi a única a ter uma evolução consistente desde o início de sua jornada, primeiro como candidata a graça, depois como aia, prisioneira, e, em Glória e Ruína, líder da revolução. Para a maior parte dos demais, os eventos pareceram apressados demais ou simplesmente surreais. No caso de Nomi, inclusive, percebi uma considerável decadência do ritmo evolutivo: a personagem não apenas estagnou, como pareceu retornar ao ponto inicial da trama, como uma jovem assustada demais para fazer qualquer coisa.


Quando digo que a revolução nem sempre é bonita, devo incluir o fato de ela tampouco ser bem escrita. O golpe é a parte mais fácil nesse tipo de movimento. Quando tratado como clímax, opta-se por deixar de lado inúmeras consequências podendo surgir a partir daí. Ou pior ainda, como é o caso de Glória e Ruína: apressa-se os fatos e consequências e pula-se convenientemente para um cenário surreal. E é surreal mesmo, porque não é fornecido ao leitor pista suficiente para tornar a narrativa plausível.


Tracy Banghart faz a escolha segura e fácil para fechar a duologia Graça e Fúria e, com isso, minimiza danos e romantiza uma revolução feminista que sai completamente do tom. Para piorar um pouco as coisas, boa parte do já curto espaço para essa construção narrativa é dedicada aos respectivos arcos românticos das duas irmãs, e, sinceramente, quem quer saber de beijos na boca quando se está lutando pela própria sobrevivência?


"Viridia ainda era um lugar perverso, e suas rainhas estavam enterradas."

No meio de tantos problemas, ainda preciso ressaltar a enorme confusão que a autora faz na caracterização de Viridia no tempo e espaço. Ainda que não haja uma ambientação bem definida, observa-se que a história se desenrola em um cenário medieval com influências da cultura italiana, com longos vestidos bufantes e bailes, mas também é possível comprar água mineral em quiosques na estação de trem, o que só pode significar que há algo de muito errado com o worldbuilding desta autora.


Infelizmente, não há muita coisa boa a se falar de Glória e Ruína. Pode valer o passatempo de uma leitura rápida, com ritmo fluido e alguns momentos interessantes (todos nos capítulos dedicados a Serina), com alguma ação e suspense. Mas nada além de um entretenimento extremamente comercial e mal pensado.












Ficha Técnica:


Nome: Glória e Ruína

Autora: Tracy Banghart

Série: Graça e Fúria vol. 2

Editora: Seguinte

Tradutora: Isadora Prospero

Número de Páginas: 312

Ano de lançamento (no Brasil): 2019


Link de compra:

https://amzn.to/3lHymXs


Livro cedido em parceria com a editora Cia. das Letras


Tags: #youngadult #leiaya #amoya #feminismo #girlpower #literaturafeminista #distopia #mulheres #ciadasletras #ficcoeshumanas #leiadistopia #amodistopia



0 comentário