top of page
  • Foto do escritorPaulo Vinicius

#Defendaolivro

O governo pretende retirar a isenção de impostos que os livros possuem neste momento. Como isso impacta o nosso consumo? Como podemos impedir? Saibam nessa matéria.



Desde o início do governo Bolsonaro, temíamos que várias das conquistas obtidas nos últimos vinte anos fossem por água abaixo. Eleito com um mote ultraconservador, que colocava a violência e a disseminação de uma campanha de ódio ao próximo como ponta de lança, o governo demonstrou em pouco menos de dois anos exatamente aquilo que ele é. Quem se enganou com um discurso anticorrupção, logo descobriu que aquele que fala mal dos outros precisa primeiro cuidar dos seus. Mas, o discurso ideológico esteve forte esse tempo todo. Um discurso que colocava a moral e os bons costumes, aqueles valores surgidos lá nos tempos da ditadura, que já não correspondem mais ao século XXI. Que prega preconceito, xenofobia, desconfiança.


O setor cultural e a educação são os que mais sofreram ataques por parte do governo Bolsonaro. Ambos pela completa inação do governo. Toda vez que o governo se prontificou a realizar alguma ação voltada para ambos, veio marcada de polêmica. A nomeação do afamado presidente da Fundação Palmares, os frequentes habitantes da cadeira da secretaria de Cultura, que nunca duram muito tempo. O combate constante às verbas da Lei Rouanet que nosso presidente acredita que são sempre dadas a pessoas que fazem parte de algum tipo de conspiração comunista. Ou a redução drástica nas verbas da Ancine. Ou o fechamento da Casa de Rui Barbosa, uma instituição tradicional na pesquisa de várias áreas que iam desde a Literatura até a Botânica.


O mais recente imbrólio tem a ver com a reforma tributária. Algo que faz parte da campanha eleitoral de Bolsonaro e da pauta de seu ministro da Economia, Paulo Guedes. O Brasil é um dos países com a maior carga tributária do mundo. Não apenas isso: os impostos cobrados no território nacional são tantos e tão variados que isso gerou todo um departamento em cada empresa que precisa cuidar da administração e pagamento destes impostos. Às vezes uma empresa se torna inadimplente em um imposto sem saber simplesmente porque desconhecia a necessidade de pagar tal imposto. Em alguns pontos eu concordo com Guedes. Se tornou necessário ao Brasil simplificar a maneira como os impostos são cobrados. É possível unificar alguns, descontinuar outros. É pura matemática financeira. A quantidade de impostos no Brasil afasta diversos players internacionais que temem cair na malha tributária brasileira.



Desde o governo Lula (e não digo que isso é por causa do governo PT e sim por causa de uma política pública eficiente), houve uma emergência de uma classe média com algum poder aquisitivo. Uma classe intermediária que nem é rica e nem vive na linha da miséria. Conquistou essa possibilidade se colocando no mercado de trabalho em posições chave. A fala de Guedes de que apenas os ricos adquirem livros é de uma falta de percepção de mercado que beira à ignorância. Me admira um estudioso de economia não perceber a existência dessa fatia da população que alimenta alguns setores estratégicos da economia como o têxtil, o automotivo e o literário. Nesta matéria da Folha, Luis Schwarcz aponta dados importantes sobra as vendas de livros na última Bienal. E a classe C foi a responsável pela maior quantidade de vendas. Isso sem falar na FLUP e em outros eventos menores voltados para serem mais inclusivos e formarem mais leitores.


O PNLD, Programa Nacional do Livro Didático, é uma das principais fontes de renda para as editoras. O Estado compra livros didáticos e paradidáticos para enviar às milhares de escolas públicas espalhadas por todo o país. Taxar o livro é aumentar o valor de compra dos livros que o Estado é o principal comprador. E os recursos para a aquisição destes materiais vem dos impostos que pagamos. Ou seja, se torna um ciclo sem fim. O Estado estaria sobretaxando a si mesmo. Aumentaria a oneração na folha de pagamento e os escassos recursos do Ministério da Educação teriam que ser voltados para algo que poderia ser menos caro se não fossem as ações do próprio Estado.


Além disso, as últimas ações de Bolsonaro se transformaram em um populismo barato que nada mais é do que uma cópia do que Lula e Dilma fizeram em seus governos. Quer dizer, o governo vai dar livros à população? Mas, ele já não dá? Para aqueles que frequentam as escolas? A população pobre quer poder consumir livros. Ela tanto deseja que passou a fazer parte das estatísticas de vendas. Um governo assistencialista produz um fenômeno apenas temporário. A longo prazo, o resultado é a impopularidade e o inchamento da máquina administrativa. Que é o que está acontecendo no momento. Como sustentar o auxílio emergencial por mais tempo?


Nosso papel como leitores é nos colocarmos contra isso. Retirar a isenção dos livros é destruir de vez a cadeia livreira que já está mal há alguns anos. É fechar editoras, falir empresas, deixar funcionários sem trabalho. Devemos nos posicionar a respeito. A retirada da isenção implica em um aumento de, no mínimo 12% no valor final de capa do livro. As editoras maiores vão conseguir repassar isso para o livro; mas outras menores que lidam com tiragens limitadas são as que mais vão sofrer. Isso porque para manter um valor de mercado elas teriam que aumentar suas tiragens, mas só aumentaria a quantidade de livros excedentes. Ou seja, editoras pequenas quebrariam no ato.


Várias editoras, livreiros, veículos de imprensa, influenciadores digitais se levantaram contra isso. Contra a oneração de um material que pouco interfere nas políticas econômicas do país. Cuja isenção seria uma forma de manter um povo capaz de compreender as mudanças que acontecem ao seu redor. Capaz de se relacionar com o mundo. Capaz de ler e compreender. Claro que para uma elite que deseja dominar uma massa empobrecida é interessante manter todos ignorantes. Portanto, vamos nos levantar contra isso. E como fazer?



Esse é um dever cívico. Muito mais do que uma inclinação política ou ideológica. Ser capaz de consumir um livro é ser livre. É poder dar asas à sua imaginação. Assinem! Eu já assinei. Eu já me posicionei. É a sua vez.





0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page
Conversa aberta. Uma mensagem lida. Pular para o conteúdo Como usar o Gmail com leitores de tela 2 de 18 Fwd: Parceria publicitária no ficcoeshumanas.com.br Caixa de entrada Ficções Humanas Anexossex., 14 de out. 13:41 (há 5 dias) para mim Traduzir mensagem Desativar para: inglês ---------- Forwarded message --------- De: Pedro Serrão Date: sex, 14 de out de 2022 13:03 Subject: Re: Parceria publicitária no ficcoeshumanas.com.br To: Ficções Humanas Olá Paulo Tudo bem? Segue em anexo o código do anúncio para colocar no portal. API Link para seguir a campanha: https://api.clevernt.com/0113f75c-4bd9-11ed-a592-cabfa2a5a2de/ Para implementar a publicidade basta seguir os seguintes passos: 1. copie o código que envio em anexo 2. edite o seu footer 3. procure por 4. cole o código antes do último no final da sua page source. 4. Guarde e verifique a publicidade a funcionar :) Se o website for feito em wordpress, estas são as etapas alternativas: 1. Open dashboard 2. Appearence 3. Editor 4. Theme Footer (footer.php) 5. Search for 6. Paste code before 7. save Pode-me avisar assim que estiver online para eu ver se funciona correctamente? Obrigado! Pedro Serrão escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:42: Combinado! Forte abraço! Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:41: Tranquilo. Fico no aguardo aqui até porque tenho que repassar para a designer do site poder inserir o que você pediu. Mas, a gente bateu ideias aqui e concordamos. Em qui, 13 de out de 2022 13:38, Pedro Serrão escreveu: Tudo bem! Vou agora pedir o código e aprovação nas marcas. Assim que tiver envio para você com os passos a seguir, ok? Obrigado! Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:36: Boa tarde, Pedro Vimos os dois modelos que você mandou e o do cubo parece ser bem legal. Não é tão invasivo e chega até a ter um visual bacana. Acho que a gente pode trabalhar com ele. O que você acha? Em qui, 13 de out de 2022 13:18, Pedro Serrão escreveu: Opa Paulo Obrigado pela rápida resposta! Eu tenho um Interstitial que penso que é o que está falando (por favor desligue o adblock para conseguir ver): https://demopublish.com/interstitial/ https://demopublish.com/mobilepreview/m_interstitial.html Também temos outros formatos disponíveis em: https://overads.com/#adformats Com qual dos formatos pensaria ser possível avançar? Posso pagar o mesmo que ofereci anteriormente seja qual for o formato No aguardo, Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:15: Boa tarde, Pedro Gostei bastante da proposta e estava consultando a designer do site para ver a viabilidade do anúncio e como ele se encaixa dentro do público alvo. Para não ficar algo estranho dentro do design, o que você acha de o anúncio ser uma janela pop up logo que o visitante abrir o site? O servidor onde o site fica oferece uma espécie de tela de boas vindas. A gente pode testar para ver se fica bom. Atenciosamente Paulo Vinicius Em qui, 13 de out de 2022 12:39, Pedro Serrão escreveu: Olá Paulo Tudo bem? Obrigado pela resposta! O meu nome é Pedro Serrão e trabalho na Overads. Trabalhamos com diversas marcas de apostas desportivas por todo o mundo. Neste momento estamos a anunciar no Brasil a Betano e a bet365. O nosso principal formato aparece sempre no topo da página, mas pode ser fechado de imediato pelo usuário. Este é o formato que pretendo colocar nos seus websites (por favor desligue o adblock para conseguir visualizar o anúncio) : https://demopublish.com/pushdown/ Também pode ver aqui uma campanha de um parceiro meu a decorrer. É o anúncio que aparece no topo (desligue o adblock por favor): https://d.arede.info/ CAP 2/20 - o anúncio só é visível 2 vezes por dia/por IP Nesta campanha de teste posso pagar 130$ USD por 100 000 impressões. 1 impressão = 1 vez que o anúncio é visível ao usuário (no entanto, se o adblock estiver activo o usuário não conseguirá ver o anúncio e nesse caso não conta como impressão) Também terá acesso a uma API link para poder seguir as impressões em tempo real. Tráfego da Facebook APP não incluído. O pagamento é feito antecipadamente. Apenas necessito de ver o anúncio a funcionar para pedir o pagamento ao departamento financeiro. Vamos tentar? Obrigado! Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 16:28: Boa tarde Tudo bem. Me envie, por favor, qual seria a sua proposta em relação a condições, como o site poderia te ajudar e quais seriam os valores pagos. Vou conversar com os demais membros do site a respeito e te dou uma resposta com esses detalhes em mãos e conversamos melhor. Atenciosamente Paulo Vinicius (editor do Ficções Humanas) Em qui, 13 de out de 2022 11:50, Pedro Serrão escreveu: Bom dia Tudo bem? O meu nome é Pedro Serrão, trabalho na Overads e estou interessado em anunciar no vosso site. Pago as campanhas em adiantado. Podemos falar um pouco? Aqui ou no zap? 00351 91 684 10 16 Obrigado! -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification Área de anexos ficcoescodigo.txt Exibindo ficcoescodigo.txt.