• Paulo Vinicius

A Evolução de um Épico Espacial: The Expanse de James S.A. Corey (Parte 1)

Atualizado: 1 de Mai de 2019

Por Andrew Liptak Disponível em: http://www.barnesandnoble.com/blog/sci-fi-fantasy/the-evolution-of-james-s-a-coreys-space-epic-the-expanse/ Traduzido por Paulo Vinicius F. dos Santos.

Esta é a primeira parte de um artigo do blog da Barnes & Noble falando a respeito da trajetória de James S.A. Corey (dos dois autores) e da série The Expanse. Desde os primórdios até a série de TV de sucesso.

Estamos em março de 2015 e eu estou de pé na ponte de comando de uma espaçonave. As estações de trabalho da tripulação parecem gastos, as paredes estão cobertas com sinais de aviso e o chão gradeado parece de alguma forma construído para ser funcional. Se eu não soubesse a verdade, imaginaria que eu estou de pé realmente em uma espaçonave, atravessando o espaço. Ao invés disso, eu estou no set de filmagem de uma nova série de TV, um local em que, até agora, apenas existiu nas linhas de um livro. "Você gostaria de ver uma nave Belter de merda?" Ty Franck pergunta ao nosso pequeno grupo, nos guiando até um dos sets e apontando para outro adjacente. "Vamos logo ali, esta é uma das naves Belter de merda".

Voltamos no tempo alguns anos. De volta em 2011, eu recebi uma cópia antecipada de um livro que vinha gerando muito burburinho: Leviathan Wakes, de um novo autor, James S.A. Corey (de fato, um pseudônimo para dois autores, Ty Franck e Daniel Abraham). A capa em uma cor azul vibrante era uma obra de arte, apresentando uma espaçonave se aproximando de um asteróide. Aquilo me chamou a atenção no momento em que eu o vi. O blurb falando sobre o enredo apenas me deixou ainda mais atraído:

A humanidade colonizou o sistema solar - Marte, a Lua, o Cinturão de Asteroides e além - mas as estrelas ainda estão fora de nosso alcance. Jim Holden é o Oficial Executivo de uma estação de mineração de gelo fazendo rondas nos anéis de Saturno até as estações de mineração do Cinturão. Quando ele e sua tripulação se deparam com uma nave à deriva, eles se veem de posse de um segredo que eles nunca queriam. Um segredo que alguém está fazendo o possível para matar de forma a continuar escondido - e matar em uma escala incompreensível para Jim e sua tripulação. A guerra está fermentando no sistema solar a menos que ele consiga encontrar o que restou da nave e descobrir o porquê. O detetive Miller está procurando por uma garota. Uma garota em um sistema de bilhões, mas os seus pais possuem muito dinheiro e dinheiro faz as pessoas falarem. Quando a trilha leva Miller até o Scopuli e até o simpatizante rebelde Holden, ele percebe que esta garota pode ser a chave para tudo. Holden e Miller devem costurar as relações entre o governo da Terra, os revolucionários dos Planetas Externos e corporações secretas - e tudo está contra eles. Mas, aqui no Cinturão, as regras são diferentes e uma pequena nave pode mudar o destino do universo.

Leviathan Wakes é o início de uma série de space opera épica conhecida como The Expanse, uma série que conseguiu muita popularidade desde a sua tão falada estréia. Críticos tem elogiado a série como uma nova forma de space opera clássica, completa com um mundo bem construído, um elenco rotativo de personagens interessantes e uma história de matar. Existe muita ação e uma exploração profunda de como os humanos podem agir quando nós deixamos nosso próprio mundo por outros novos. Isso atraiu legiões de fãs leais até a criação de sua própria wiki. Mas mais do que isso, a série também foi escolhida pelo Syfy como a estrela de uma nova grade de programação criada para conquistar de volta a mesma plateia que levou um Battlestar Gallactica reimaginada a um status de novo clássico.

Como The Expanse evoluiu de sua origem até os dias de hoje é uma história única e fascinante, uma tão improvável quanto excitante. Começou como um conceito para um jogo multiplayer épico, jogando como um RPG, escrito como um romance - então três, seis, e atualmente nove romances - e agora a caminho para as telas de TV em toda parte do mundo, a série pegou uma rota totalmente não convencional desde o seu conceito até sua publicação. De pé na ponte de comando do set da Rocinante, eu estou chocado com quão vívido o mundo se tornou e ganhou vida.  

Origens

Ty Francl não consegue se lembrar quando ele se tornou um fã de ficção científica.

"Uma de minhas tias me trouxe uma antologia de histórias de ficção científica de uma venda de garagem e tinha muitas histórias incluindo The Stars My Destination.” Franck era apenas um garoto na época - 10 ou 11 anos e ele pegou e releu a antologia muitas vezes ao longo de sua adolescência. O livro era A Treasury of Great Science Fiction, Volume Two, editado por Anthony Boucher, lançado originalmente em 1959, e apenas uma entre várias coletâneas do gênero publicadas na época. Entre as várias histórias haviam algumas de Poul Anderson, Judith Merril, Arthur C. Clarke, Robert Heinlein, Henry Kuttner e C.L. Moore, além do romance de Bester. "Não me lembro de nenhuma das outras histórias ali, e eu li o livro uma dúzia de vezes. A única história que ficou na minha mente é The Stars My Destination.”

Imagem do livro "Stars, My Destination" de Alfred Bester

No meio do século XX, muitas histórias de ficção científica eram os produtos de revistas do gênero. Tinha mais de uma dúzia no mercado, e uma categoria cada vez maior de escritores e fãs adquiriam-nas todos os meses para escapar rumo a novos mundos. A ficção científica era um mundo pequeno: um leitor dedicado poderia ler todas as revistas e romances publicadas naquele mês, e se manter atualizado. Bester era um desses fãs. Nascido em 1913, ele descobriu a revista de Hugo Gernsback Amazing Stories, e depois se tornou um escritor publicando sua primeira história, “The Broken Axiom,” na edição de Abril de 1939 da Thrilling Wonder Stories.

Bester trabalhou em vários lugares nos anos que se seguiram: ele escreveu roteiros de alguns personagens icônicos da DC Comics e foi um roteirista na TV. Ele tirou um tempo para aprimorar suas habilidades antes de escrever um romance de ficção científica inspirado em um artigo de revista sobre um cozinheiro abandonado no mar durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1953, The Demolished Man ganhou o primeiro prêmio Hugo por melhor romance.

Seu segundo romance, The Stars My Destination, é considerado um dos mais influentes no cânone de ficção científica. William Gibson apontou que "foi construído nos ossos exumados de Dumas e Dickens (roubou apenas o melhor)," e a obra foi citada como uma predecessora do cyberpunk. A história segue um astronauta chamado Gully Foyle, à deriva no espaço em meio a uma guerra interplanetária entre os planetas da orla interna e os da orla externa. Ele se torna consumida por uma raiva cega que o motiva a sobreviver e a se teleportar ao longo de todo o sistema solar em uma corrida desesperada por vingança.

Anos após ele ter lido o romance, ele ficou gravado na mente de Franck. Em 2001, ele começou a construir seu próprio mundo de ficção científica, e assim como ele fez, o mundo de Bester influenciou pesadamente sua visão para um sistema solar habitado no futuro.

Ty se mudou para Portland, Oregon em 2001. Ele já tinha desfrutado de uma carreira de sucesso, criado o seu próprio negócio, administrou e tornou duas empresas públicas, e permaneceu interessado em jogos e ficção científica todo o tempo. Agora, ele estava pensando em humanos no espaço. Já tinham vários romances de ficção científica passados em um futuro próximo e muitas space operas passadas muito distantes no futuro, mas poucas se passavam no meio destes dois períodos.

Franck imaginou um sistema solar que incluía colônias grandes na Lua, em Marte, no cinturão de asteróides e em planetas mais distantes, governados pelas três facções maiores: Terra, Marte e os Planetas da Orla Externa. Inserido nesta balança estava uma quarta facção [Nota do Editor: não coloquei esse spoiler].

À medida em que ele desenvolvia o seu mundo, uma amiga veio pedir ajuda a ele: ela estava procurando desenvolver ideias para um MMORPG para um provedor de internet na China como uma forma de incentivar os consumidores a assinar pelo serviço. Isto foi nos primeiros dias dos MMOs: jogos como Neverwinter Nights e Legends of Future Past eram populares na década de 1990, mas foi EverQuest (de 1999) que o gênero decolou, tornando-se um dos jogos online mais bem sucedidos do mundo.

O gênero estava em efervescência. EVE Online foi lançado como um simlador espacial em 2003, enquanto World of Warcraft se tornou a plataforma de fantasia dominante em 2004. Frank não queria competir com o blockbuster da Blizzard e recomendou uma ambientação de ficção científica como uma alternativa. "Eu realmente queria uma versão de EVE onde você poderia realmente entrar na sua nave e ter aventuras no solo. Esta foi uma espécie de ideia inicial e então eu peguei esta ambientação em um futuro próximo e a construi para acomodar aventuras em espaçonaves e nos ambientes planetários."

Ele criou este mundo com um olhar voltado para os games. Onde World of Warcrafttinha duas facções maiores a se unir, The Expanse tinha três. Para desenvolver o mundo, ele pesquisou os corpos celestes maiores do sistema solar: Ceres, Ganimedes, a Lua, Eros e outros, ambientações onde os personagens seriam capazes de interagir e continuar a aventura.

Além das localidades, Franck criou discórdia política no sistema: guiado por um grande plano de terraformação, Mars espoliou o sistema solar por matérias-primas como água, colocando-os em conflito com os moradores do cinturão de asteroides e com os planetas externos. O delicado equilíbrio político seria o responsável por muito do conflito no jogo.

Apesar de seus esforços, o trabalho de Franck não foi longe: "As pessoas envolvidas não tinham ideia de quanto investimento maciço leva para fazer um MMO e quando eles perceberam o quão grande era," eles desistiram. "Um projeto como esse é como fazer um filme de Hollywood... você está olhando para dezenas ou até mesmo centenas de milhões de dólares (em custos de desenvolvimento)." O caminho para um MMO foi como muitas propostas de negócios: ela terminou, e todos seguiram a vida. O trabalho poderia não ter ido a lugar nenhum, mas Franck agora tinha juntado suas ideias antes aleatórias e pesquisou a respeito de um sistema solar ocupado por humanos e os transformou em pilhas de notas cuidadosas.

RPG & Escrita

Franck seguiu para alguns outros projetos, um dos quais incluía um pouco de escrita ficcional. A escrita nunca interessou Franck. Ele gostava de ler histórias durante a sua infância, e escreveu bastante para os seus jogos, mas nunca resolveu escrever em prosa.

Isto mudou quando sua irmã fez um curso de escrita criativa e pediu a ele ideias para uma história. "Dei a ela uma ideia que estava pairando na minha cabeça e ela escreveu uma história e devolveu-a de volta para mim, e ela fez tudo errado," ele disse. "Então, eu escrevi minha versão dela, a versão que estava realmente na minha cabeça."

Ele era amigo de algumas pessoas que trabalhavam com o autor de Ender's Game, Orson Scott Card. Buscando feedback, ele distribuiu sua história a essas pessoas. Eles gostaram do que leram, e deu-a a Card, que foi muito encorajador. A história era muito boa, ele disse, e quem quer que a estivesse escrevendo, deveria continuar".

Quando Franck deixou o seu trabalho de tempo integral com um generoso pagamento e uma cláusula de não-concorrência, ele decidiu ir a uma oficina de escrita na Carolina do Norte fundada por Card. "A Turma de Escrita do Tio Card e o Boot Camp Literário" foi uma experiência de duas semanas, e Franck foi armado com sua história - a mesma história que Card comprou depois para a segunda edição de sua própria revista de ficção cientifica, Orson Scott Card’s Intergalactic Medicine Show. A primeira história profissional de Franck, “Audience” foi publicada em março de 2006.

Entretanto, Franck não tinha esquecido de seu mundo. Era muito bem feito para jogos, e enquanto ele não tinha se tornado um MMO, ele começou a colocá-lo como um jogo de RPG em um fórum de jogos post-to-play. Ele abriu um fórum privado com tópicos para cada rodada, para cada personagem, para suas ações e comentários fora do personagem. Foi aqui, online, que uma história começou a surgir. O que eram elementos distantes de um mundo agora estavam juntos em uma ambientação vibrante, junto de uma grande história de uma sociedade humano em competição umas com as outras. Agora, tudo o que ele precisaba eram alguns personagens.

O jogo influenciou fortemente o que um dia se tornaria o livro: uma tripulação é pega no meio de uma guerra interplanetária quando eles se deparam com uma protomolécula alienígena no asteroide Eros. Muitos elementos distintos do jogo foram transportados para o romance: personagens, localidades, naves e eventos (Franck matou um dos seus jogadores quando o personagem teve que deixar o jogo muito cedo; sua saída foi uma morte espetacular). Os elementos-chave da história maior começaram a se encaixar através de vários dias de jogo, revelando a ambientação e testando a lógica do mundo. Elementos centrais da narrativa começaram a emergir. Os jogadores desenvolveram a narrativa dos personagens centrais: Holden, Naomi, Amos, Alex e Shed que navegavam o sistema solar e o delicado equilíbrio de poder ao redor deles abordo da nave de batalha Rocinante.

"Muitos dos personagem em Leviatã Desperta são do jogo, com ênfase na tripulação da Roci. Existem mais ou menos oito membros da tripulação em alguns pontos do jogo... [Eles] foram condensados para os livros, mas a os quatro membros centrais da tripulação são reconhecíveis do jogo," escreveu Raja Doake, que eu conheci no set de The Expanse em Toronto. Os agradecimentos são feitos também a Tom, Sake Mike, Non-Sake Mike, Porter, Scott, Jeff, Mark, Dan e Joe no livro - os habitantes originais de The Expanse.

O jogo que eles desenvolveram no fórum eventualmente saiu desse pequeno espaço. Liza Williams, que o observou todo o tempo, colocou que "foi como começar a ler um livro e ficar investido nos personagens e então ter que terminar quando as coisas ficaram interessantes."

Colaboradores

Bubonicon é uma convenção de ficção científica regional que acontece anualmente em Albuquerque, Novo México e em um ano, Franck fez a viagem para ver um amigo, Emily Mah, que estava no programa do final de semana no evento. Ali, ele encontrou Daniel Abraham, um autor local que estava publicando seus próprios romances de ficção curta desde 1999.

Abraham teve um caminho diferente de Franck. Quando observávamos os seus hábitos de leitura, ele "era um ser onívoro em crescimento", ele disse. "O primeiro livro que eu me lembro especificamente foi The Other Side of the Sky de Arthur C. Clarke, e eu me lembro exatamente onde eu estava quando eu li ‘9 Billion Names of God.’ Aquilo era uma experiência fantástica, e eu li muita coisa do Arthur C. Clarke e de Larry Niven, [e] tudo o mais que eu conseguia pôr as mãos. Eu gostava de tudo."

Quando era muito jovem, Abraham começou a escrever o que ele caracterizou como, "histórias curtas terríveis" e nunca parou: elas apenas se tornavam menos terríveis. Na faculdade, ele estudou biologia, e trabalhou no suporte técnico por quase uma década depois da graduação. Enquanto isso, ele continuou a escrever e a enviar seus trabalhos para publicação. Em 1996 e 1998, ele publicou suas duas primeiras histórias em revistas semiprofissionais, e em 1998 ele esteve presente na Oficina para Escritores de Clarion West, onde autores de prestígio como George R.R. Martin, Carol Emshwiller, Gardner Dozois, Paul Park, Lucy Sussex e Connie Willis davam cursos intensivos de seis semanas. "Era uma experiência absolutamente incrível para mim," ele se lembrou. A oficina o ajudou a aprimorar sua habilidade e alavancou a sua carreira. Ele começou a colocar história após história em mercados como a Asimov’s Science Fiction e a The Magazine of Fantasy and Science Fiction, assim como em muitas antologias.

No início de 2002, Abraham se encontrou com George R.R. Martin para um jantar. Martin perguntou a ele, "Então Daniel, o que você acha de um trabalho a três mãos com dois caras gordos?" O autor queria a ajuda de Abraham para completar um manuscrito há muito tempo incompleto.

Em 1976, Gardner Dozois começou uma história chamada Shadow Twin, criando os personagens básicos e a história, mas deixou-a de lado. Em 1981, Dozois perguntou a Martin se ele queria terminar a história, sabendo que Martin tinha gostado daquilo que já tinha. Martin pegou o manuscrito, adicionou mais coisas, mas não conseguiu terminar. Ele devolveu-o a Dozois, que o colocou na gaveta. Em 2002, ele trouxe Abraham a bordo, e ele finalmente terminou o manuscrito. Em maio de 2005, a Subterranean Press publicou-o como uma novela, depois expandida em um romance chamado Caçadores em Fuga, publicado em 2007 pela Eros Books.

Neste ponto, Abraham tinha se estabelecido como um autor de fantasia em ascensão. Ele ganhou alguns elogios pelo seu romance de fantasia em quatro volumes cujo título era The Long Price Quartet (A Shadow in Summer, A Betrayal in Winter, An Autumn War, and The Price of Spring), publicado entre 2006 e 2009, e por Black Sun's Daughter, uma série de fantasia em cinco volumes publicado sob o pseudônimo M.L.N. Hanover entre 2008 e 2013.

O primeiro encontro de Abraham e Franck não foi muito bom, mas eles se encontraram novamente e se tornaram amigos. Quando a esposa de Franck se inscreveu na Universidade do Novo México, Abraham e sua família viviam a uma curta distância. Com a sua única história de ficção, Franck se juntou ao grupo de autores de ficção científica locais, a Massa Crítica do Novo México. O grupo contava com membros como Abraham, Terry England, Emily Mah, George R.R. Martin, Victor Milán, Melinda Snodgrass, S.M. Stirling, Ian Tregillis e Walter Jon Williams.

Grupos de escritores aparecem frequentemente ao longo da história da ficção científica. Como os melhores destes grupos, a Massa Crítica se encontrava para trocar histórias, conseguir críticas e sair com pessoas com a mesma mentalidade. Eles também gostavam de jogar, e ouviram falar do mundo de ficção científica de Franck. "Então eu ouvi falar que você tinha um jogo legal," Melinda Snodgrass disse a ele. "Você não gostaria de montar uma campanha com a gente?" Franck concordou, e fez uma campanha com ele mesmo, sua esposa, Ian Tregillis e George R.R. Martin.

Enquanto isso, quando a esposa de Franck trabalhou em sua tese de graduação, George R.R. Martin o contratou como assistente pessoal, coordenando seu trabalho, relações públicas, pesquisa, tecnologia e outras tarefas. Franck e Abraham se tornaram amigos íntimos, se encontrando regularmente. Abraham, também, tinha ouvido um pouco sobre o mundo de RPG de Franck, e perguntou se ele podia jogar também. Com suas esposas como companheiras jogadoras, Franck fez outra campanha no universo de The Expanse. Abraham jogou como um detetive chamado Miller, vivendo em planeta anão Ceres. Miller experimentou problemas com o seu capitão de polícia, mesmo com uma crise política tão próxima. "O que acontece quando você é um policial e o governo entra em colapso?" é como Abraham colocava a sua situação. O nível de detalhes do jogo o impressionou e depois de três ou quatro sessões, ele percebeu que a ambientação daria um romance incrível.

Franck se lembra de não ter grandes ambições para The Expanse: ele colocou muito trabalho no mundo que criou e apenas queria se divertir com ele. "As ambições eram minhas," disse Abraham.


Seguinte --->

(Parte 2)


Tags: #theexpanse #jamessacorey #tyfranck #danielabraham #leviatadesperta #editoraaleph #rpgeliteratura #spaceopera #jamesholden #alfredbester #starsmydestination #escritaconjunta #miller #espaco #ficcaocientifica #scifi #leiascifi #amoscifi #igscifi #ficcoeshumanas

ficções humanas rodapé.gif

Todos os direitos reservados.

Todo conteúdo de não autoria será

devidamente creditado.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

O Ficções Humanas é um blog literário sobre fantasia e ficção científica.