• Amanda Barreiro

Resenha "O Mistério dos Cavalos Alados", de Megan Shepherd

Atualizado: 22 de Abr de 2019

Emmaline vê cavalos alados nos espelhos do Hospital Briar Hill. Os limites entre fantasia e realidade colidem em uma narrativa doce, poética e infantil em uma história tocante sobre a Segunda Guerra.

Sinopse


Nosso mundo tem cores. Você só precisa saber onde procurar.

Existem cavalos alados nos espelhos do Hospital Briar Hill – esses espelhos refletem os elegantes quartos que já pertenceram a uma princesa, mas que agora são o lar de crianças doentes. Somente Emmaline pode enxergá-los. Este é o seu segredo.

Certa manhã, a menina escala o muro dos jardins abandonados do hospital e descobre algo incrível: um cavalo branco com a asa quebrada que deixou o mundo dos espelhos e invadiu a realidade.

Esse cavalo branco – uma égua chamada Lume de Luar – está se escondendo de uma força sombria e sinistra: o Corcel Negro. Para Emmaline mantê-lo longe de sua nova amiga, ela precisa rodear Lume de Luar com tesouros de tons brilhantes. Mas como a menina encontrará cor em um mundo tão cinzento?

Ambientado durante a Segunda Guerra Mundial, O mistério dos cavalos alados traz uma prosa que se aproxima do lirismo e, assim como O jardim secreto e A princesinha, já pode ser considerado um clássico. Um livro que será amado por muitas gerações.

A Magia da Infância


Que universo poderia ter mais fantasia que o infantil? As crianças têm um jeito todo especial de observar a realidade e, por isso, sonham acordadas, imaginam, colorem a vida de um jeito que nós, adultos, esquecemos muito rápido como fazer. Hoje, 18 de abril, é o dia nacional do livro infantil em homenagem ao grande escritor Monteiro Lobato e é claro que eu precisava falar dessa data.

Não é sempre que nos propomos a ler livros infantojuvenis. Muitos consideram uma leitura boba e não enxergam a profundidade necessária para o autor adentrar no mundo dos seus pequenos leitores. Crianças são extremamente perceptivas, criativas, exigentes. Dessa forma elas precisam de uma conexão imediata com a história, algo obtido através dos personagens. Precisa existir uma química entre a criança e o personagem, ela precisa se ver dentro daquele livro, se reconhecer na protagonista, percebê-la como igual. Mas, a grande magia dos livros infantis reside na sua atemporalidade. Pegue exemplos clássicos como O Pequeno Príncipe ou as histórias da Disney: não importa a sua idade, você vai ficar imerso na história, voltar aos seus referenciais de infância, se emocionar. E, curiosamente, a cada vez que você entrar em contato com a história surgirá uma nova percepção. Isso porque existem camadas a serem exploradas, lições e interpretações. Para crianças, um novo mundo. Para adultos, a nostalgia, o resgate.

Em O Mistério dos Cavalos Alados somos apresentados a Emmaline, residente do Hospital Briar Hill, um lar para crianças doentes em plena Segunda Guerra Mundial. Existiram, nessa época, vários desses hospitais em zonas rurais para tratar e abrigar crianças, mulheres, idosos e jovens que não puderam servir na guerra. Eram considerados lugares seguros e mais saudáveis para a recuperação dos enfermos. Emmaline e as outras crianças vivem sob a vigilância constante das Irmãs e cada uma tem um jeitinho único, uma brincadeira especial. No caso de Emmaline são os cavalos alados, visíveis apenas por ela nos espelhos, criaturas mágicas encantadoras que a visitam e tornam seus dias menos solitários. Mas, ninguém acredita nela.

“Eu e você, nós cuidamos uma da outra. Mas vou cuidar um pouquinho mais de você, porque sou sua humana, e você sempre será minha égua especial”.

A construção de sentidos é um dos pontos brilhantes da escrita de Megan Shepherd. Emmaline nos conta segredos, descreve suas aventuras em primeira pessoa e sempre no tempo presente, de modo a nos levar junto com ela por cada cena. Mas, ela é uma narradora muito pouco confiável e é aí que a autora revela sua habilidade como contadora de histórias. Nunca sabemos ao certo se Emmaline está fantasiando, se está mentindo para si mesma ou se tudo aquilo está realmente acontecendo.


De tantas verdades possíveis surgem interpretações variadas, diferentes sob cada olhar lançado sobre a narrativa. A história se fecha, tudo é respondido de uma forma ou de outra, mas dificilmente duas pessoas chegariam à mesma conclusão sobre os eventos da trama e essa é uma qualidade inestimável em qualquer leitura. Além disso, a linguagem da autora é extremamente fácil, leve e tem um ar poético e encantador, cheia de sons, cores e ingenuidade.



Mas não pense que, por tratar de temas densos e tristes, este livro pode não ser adequado para crianças. Muito pelo contrário. A autora traz várias lições fundamentais como empatia, esperança, bondade, amizade, compaixão, certos e errados e o cuidado de transmitir tudo isso pelo olhar doce e curioso da Emmaline. Pessoalmente, eu recomendaria a leitura para crianças a partir de dez anos, até mesmo pela quantidade de páginas e para a melhor compreensão da história, e para qualquer pessoa, de qualquer idade, que queira se emocionar com cavalos alados e a beleza de ser criança.

O Mistério dos Cavalos Alados é uma leitura rápida, mas profundamente marcante e sensível, que nos mostra, acima de tudo, que o mundo não precisa ser cinza nem nas piores situações, só precisamos procurar pelas cores certas e manter a fantasia sempre viva.


“É reconfortante pensar que existe um lugar onde ninguém envelhece, não acha?”



Ficha Técnica:

Nome: O Mistério dos Cavalos Alados Autora: Megan Shepherd Editora: Plataforma 21 Gênero: Fantasia Tradutora: Lavínia Fávero Número de Páginas: 208 Ano de Publicação: 2017



Tags: #imaginacao #cavalosalados #crianças #literaturainfantil #infantojuvenil #meganshepherd #plataforma21 #segundaguerra #fantasia #ficcoeshumanas








ficções humanas rodapé.gif

Todos os direitos reservados.

Todo conteúdo de não autoria será

devidamente creditado.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

O Ficções Humanas é um blog literário sobre fantasia e ficção científica.