top of page
  • Foto do escritorPaulo Vinicius

Resenha: "Duendes - Contos Sombrios de Reinos Invisíveis" organizado por Ana Lúcia Merege

Uma coletânea mostrando diferentes visões sobre os seres pequeninos. A única coisa em comum entre eles é que as histórias são realmente assustadoras. Então preparem-se para embarcar em uma viagem que pode não ter retorno.


Aspectos gerais da coletânea:


O projeto concebido pela organizadora Ana Lúcia Merege, que também tem um conto na coletânea, parte de uma visão mais sombria das lendas sobre os seres pequeninos. Ou seja, são histórias do gênero dark fantasy em que diferentes encarnações de duendes estejam presentes. Os autores foram capazes de trazer não só versões baseadas no folclore mundial como o domovoi da cultura russa ou o monaciello vindo do sul da Itália ou até ideias totalmente fantasiosas como os seres do mundo de Diego Guerra. A variedade de histórias é fascinante, mas não se enganem: aqui não há final feliz. Gostei de como os autores conseguiram tirar diferentes visões sobre estes seres e situar histórias seja em um universo tipicamente fantástico com vilas ou castelos, ou uma história passada na Irlanda no século XIX ou até um momento da história da URSS durante o período stalinista. Como podem ver, os contos vão sair do lugar comum e te apresentar histórias bastante criativas.


Contos da coletânea:


1 - "A Sombra da Colina do Rei" de Diego Guerra

2 - "Katyusha" de Isa Prospero

3 - "A menina feia" de Luiz Felipe Vasquez

4 - "Sob as sombras do Akuna" de Daniel Folador Rossi

5 - "Jeremejevite" de Cristina Pezel

6 - "O juramento de um pirata" de Aya Imaeda

7 - "O verde e o negro" de Sid Castro"

8 - "A última criança" de Silas Chosen

9 - "Carnavalito" de Simone Saueressig

10 - "A fortuna de Rhydderch" de Ana Lúcia Merege

11 - "A noite em que quase morri" de Eduardo Kasse


Resenhas:


1 - "A Sombra da Colina do Rei"


Autor: Diego Guerra Avaliação:




Erin e Emmond são irmãos muito diferentes um do outro. Enquanto Emmond é mulherengo e amável, Erin é mais sério e sisudo. Quando Emmond decide ser o prelado do rei para uma região recém-colonizada, seu irmão inicialmente é contra, mas entende que ele precisa seguir seu próprio caminho. Mas, quando ele não tem mais notícias de seu irmão, Erin vai até a vila para entender o que aconteceu com ele. É então que lhe é contada uma estranha história sobre uma bruxa que vive em uma floresta próxima e seu contato com demônios que seguem suas ordens. Apesar de Erin imaginar que se trata de algum tipo de golpe dado pelos moradores da vila, ele segue para a floresta investigar o que aconteceu com Emmond. É então que ele irá se deparar com uma situação insólita que o levará a questionar sua própria força de vontade e o levará ao limite de suas forças. O que ele encontrará nesta floresta? Será que seu irmão ainda vive ou estará perdido para sempre?


Esta é uma história que se passa no universo do livro O Teatro da Ira, criado por Diego Guerra. Mas, é tranquilo ler o conto sem ter o menor conhecimento sobre o mundo. A forma de contar a história segue bastante a linha do autor: tensa, com descrições que nos ajudam a entender os nossos arredores e uma boa noção daquilo que o personagem está sentindo. Gosto de como a gente não faz a menor ideia sobre o que está acontecendo com precisão. Apesar de ser um universo fantástico, tudo tem os pés bem firmados no chão. A magia é algo duvidoso; ela pode ou não estar acontecendo, e quando acontece, surge de forma surpreendente. O autor é bem econômico com os diálogos, se focando mais em descrever os espaços e ações. Para esta história em específico, cria um contexto bem estranho e distorcido, capaz de nublar as nossas percepções sobre o que está ao nosso redor. É um sentimento parecido com o que Erin se depara quando está no círculo de pedra.


Tem vários temas que podem ser depreendidos desta história, mas o que chama mais atenção é o quanto Erin ama o seu irmão. Um homem dedicado àquele que compartilha de seu sangue. E esse amor irá colocá-lo em uma situação bem complicada, pondo sua vida em risco. As decisões que ele irá tomar ao longo da história vem de sua vontade de saber se seu irmão esta vivo ou não e se ele tem condições de ajudá-lo caso tenha a possibilidade. Erin vai se deparar com forças que ultrapassam a sua compreensão e precedem a chegada dos colonizadores no continente. Existe uma rixa entre os nativos e os colonos já que os últimos ocuparam terras que não eram suas em um primeiro momento. Não compreenderam que havia uma população anterior que tinha uma relação diferente com o universo natural que os cercava. Se pudermos fazer uma associação livre seria com a relação existente entre os povos nativos originários do Brasil e a chegada dos europeus. A destruição da faixa natural, a construção desenfreada de cidades e a falta de cuidado ao preservar aquilo que existia antes. É curioso porque apesar de serem temas tão distintos, Diego Guerra consegue relacioná-los bem: enquanto Emmond tem uma postura mais fechada, Erin acaba se abrindo mais a outras possibilidades por quanto da experiência estranha que ele tem. Ou seja, Erin foi aquele que buscou pensar fora da caixa e compreender melhor o outro lado do problema. Escutar aqueles que estavam ali primeiro. Algo que mesmo nós não fazemos hoje. Somos mais Emmond do que Erin.


2 - "Katyusha"


Autora: Isa Prospero Avaliação:




A família de Yekaterina vivia em uma bela dacha cercada de familiares e pessoas andando por toda a parte. A ama de Yekaterina, Katyusha lhe contava histórias tradicionais como a lenda do domovoi, o ser sobrenatural que vive e guarda a dacha. É preciso servi-lo com uma porção de comida para que ele se mantenha satisfeito e continue a exercer suas funções como guardião. Mas, a Rússia passa por transformações, guerras e revoluções e Yekaterina vai viver em São Petersburgo muitos anos mais tarde. Longe de sua dacha, vivendo com seu marido poeta, ela se torna uma escritora de panfletos e poesias consideradas subversivas pelo governo. Depois que seu marido é capturado pelas forças nacionais, a protagonista fica sem saber para onde ir. Sua vida foi abaixo e o único lugar onde ela pensa poder se esconder é em sua antiga dacha, agora uma casca queimada e em ruínas daquilo que foi um dia. Só que a dacha ainda tem um morador que parece não ter deixado o local.


Essa é uma bela história que mistura acontecimento reais com a fantasia. A biografia de Yekaterina é repleta de dissabores e tristezas e isso está presente entre as linhas da história. A autora consegue posicionar bem a história dentro desse contexto terrível vivido pela população soviética na época. Para aqueles que eram rebeldes, a vida era difícil e repleta de incertezas. Para uma mulher sozinha como ela, o perigo espreita a cada esquina. Ela pode ser fruto de abusos, violências de todo o tipo ou acabar morta pelos homens do Estado. Nas linhas da Isa, vemos o quanto a desesperança se apossou do coração de Yekaterina e ela quase sempre retorna a uma época de sua vida onde suas preocupações eram efêmeras. Existe também uma necessidade inerente a ela de manter seu legado e de seu marido vivos, mesmo diante do grau de violência exercido pelo stalinismo.


Consigo enxergar alguns indícios de folk horror na escrita da Isa Prospero aqui. Não sei o motivo, mas a narrativa me fez lembrar imediatamente do filme A Bruxa. Sei que o contexto onde o filme e o conto se passam são completamente distintos, mas a sensação é semelhante. O elemento fantástico do conto está mais para insólito do que para uma fantasia tradicional. É um sobrenatural que não pode ser ativado ou desativado, mas que precisamos conviver e respeitar, mesmo que esse suposto "guardião" nem sempre queira o nosso bem. A virada narrativa ao final é bastante sombria e nos joga na cara o quanto estes seres trabalham a partir de uma lógica própria e que entendem os seres humanos mais como ferramentas.


3 - "A menina feia"


Autor: Luiz Felipe Vasquez Avaliação:




Guerras trazem o pior dos homens. Colocam indivíduos contra indivíduos onde a honra nem sempre é o fator decisivo para a vitória ou a sobrevivência. Um homem acaba morto de forma banal e não consegue retornar para sua família. Sua mulher chora a perda de seu amado e sua filha, uma menina que não foi agraciada com a beleza, sente a falta de seu querido pai. Enquanto isso, seus parentes anseiam tomar as terras que pertenciam a ele. Em meio ao desespero a menina feia foge para a floresta e começa a ouvir estranhas vozes que sussurram os seus maiores anseios. Corvos sobrevoam um pedaço de terra onde uma batalha acontecera recentemente. E uma correntinha pode ser a diferença que separa a felicidade e o desespero.


Essa é uma história onde o povo pequenino aparece de forma quase ilusória para aqueles que tem contato com eles. Seu papel é de serem enganadores, de levarem os seres humanos a realizarem seus propósitos sombrios. Em um espaço onde a guerra a tudo tomou conta, os homens são mais suscetíveis ao engano. Famílias tem seus ouvidos voltados quando seus desejos mais secretos são sussurrados ao vento. A pobre menina só quer sua vida feliz e normal de volta. Mas, os desejos dos homens podem impedi-la de obter aquilo que ela quer. É aí que o povo pequenino entra, pendendo a balança para o outro lado e levando ao erro. O autor foi bem sucedido ao fazer com que o povo pequenino atuasse como uma influência maligna e desestabilizasse a história para provocar a mudança.


Assim que começa o conto, o autor apresenta uma espécie de caleidoscópio das motivações que regem cada um dos personagens. Há uma descrição a seguir do contexto onde se passa a história para começarmos depois o dilema da família. Só que esse começo é um pouco confuso. Tive a impressão de que a história se passaria com vários personagens sem nome e veríamos a história passando de um para o outro. Mas, não era nada disso. Teria sido mais eficiente uma apresentação inicial das condições nas quais o pai morreu e depois apresentar os demais personagens com suas motivações e depois passar para a família. O foco precisa ser no elemento central que muda a dinâmica da história. No caso, a morte do pai fez com que a família deixasse sua zona de conforto e entrasse em uma de conflito. Uma morte que interessava aos interesses escusos de alguém. Embora muito bem escrita e interessante, as primeiras duas páginas atrapalham a coesão narrativa. É a minha única crítica a um texto bem escrito e que tem um final surpreendente.



4 - "Sob as sombras do Akuna"


Autor: Daniel Folador Rossi Avaliação:




Arumu é o último membro de uma tribo que já foi muito poderosa. Agora eles são uma sombra do que já foram e perseguidos por seus inimigos. Mas, através de um pacto feito por seu pai, Arumu tem os poderes de um guerreiro-xamã. Ele está em busca de moemet'e, um poderoso espírito trapaceiro, fumador de cachimbo e com os pés virados para trás. Ele deseja obter uma memória de seu pai que fora trocada no passado para lhe garantir sua proteção. Arumu sabe que Moemet'e é sagaz e procurou antecipar seus passos com um plano que pode lhe ser benéfico. Mas, nenhum plano é capaz de prever o que um trambiqueiro é capaz de fazer. Se armando com a ilusão de um outro rosto, para não chamar a atenção ao seu povo perseguido, ele chega até o local onde o poderoso ser permanece e encontra outro jovem guerreiro chamado Taperi que veio em busca de alguma pista para curar seu pai de uma doença que afligiu todo o seu povo. Moemet'e vai arrumar um jeito de enganar os dois indivíduos e os colocar em uma jornada perigosa para obter algo que ele deseja. E certamente algo que um trambiqueiro deseja vai levar a algum tipo de armadilha.


Que bela história!! Gostei demais do domínio que o autor tem da cultura indígena e ele saiu um pouco da temática do embate entre brancos e índios para se concentrar em uma narrativa calcada no delicioso universo mágico que cerceia as diversas tribos. Para quem está mais acostumado com o padrão de fantasia europeu, é revigorante perceber o quanto não sabemos a respeito das várias facetas que compõem a adoração e o perigo que a natureza pode representar. Já tive a oportunidade de ler algumas histórias que pegavam forte nesse tema indígena, mas existe mais um fator a ser levado em consideração: a escrita. Para poder romper completamente com a estética europeia é preciso sair do clichê narrativo. E o autor faz isso muito bem. A narrativa tem um quê de maravilhoso e misterioso em que aceitamos coisas estranhas como fadas-promessa e esferas de doença ou uma tribo de morcegos humanoides. Adorei como fui envolvido em uma boa história que me pegava a explorar este lugar ao lado de um homem em busca de obter suas respostas.


Fica claro desde o começo que o objetivo do conto era nos mostrar o longo combate entre Arumu e o Moemet'e. E não um combate físico, mas um duelo de inteligências. Precisa ficar claro desde o começo que Moemet'e é um espírito trickster que cumpre desejos. Mas, ele sempre consegue encontrar uma forma de deturpar o desejo daquele que o procura. Logicamente que ele tem seus próprios objetivos a serem alcançados. E Arumu sabe do poder dele e tenta, em sua longa sabedoria, se prevenir ao máximo para não cair em suas armadilhas. Só que Moemet'e é tão antigo quanto o mundo e ele joga esse jogo há tempo demais. Ao longo da história, mesmo Arumu e Taperi sendo enviados em uma busca onde Moemet'e havia prometido não interferir, o protagonista sabe que algo está errado. Ele sabe que a facada nas costas vai vir, só não sabe quando e como. História sensacional!


5 - "Jeremejevite"


Autora: Cristina Pezel Avaliação:




Cibele chega junto com sua família a uma linda casa nova que eles adquiriram. Espaçosa, elegante, o sonho de todos. Enquanto eles estão desempacotando os seus pertences, Cibele vai conhecer um pouco mais da casa e dar uma relaxada após uma longa e estressante viagem. Só que ela começa a ver uma estranha aparição surgindo atrás dela. O que começa como sendo um pequeno susto e algo que ela acredita ser fruto de sua imaginação, se revela ser uma criatura antiga e maléfica que ameaça a saúde e a segurança de sua família. Para manter a sua paz de espírito, Cibele precisa ir atrás de três itens para a criatura, que deseja abandonar este mundo material: um anel de de esmeralda, um de diamante vermelho e outro de jeremevite. Há medida em que os dias passam o terror só vai aumentando.


Essa é a primeira história de terror que leio da autora e confesso ter gostado bastante da experiência. A ideia básica do conto é a construção do medo e da tensão. Como as coisas vão escalando pouco a pouco. A criatura não é nem um pouco intimidadora do ponto de vista da força, mas ela tem uma boa lábia e truques mágicos que impressionam Cibele. Ele mantém a tranquilidade enquanto, de forma ameaçadora, vai tirando as resistências e a descrença de Cibele. Tem um momento da história em que a protagonista percebe que se tornou escrava do duende. Ela faz de tudo para que sua família não seja afetada pelas maldições impostas por ele. O medo vai aumentando de intensidade com o passar do tempo, com as ações da protagonista se tornando mais desesperadas, perigosas e erráticas. O desfecho da relação entre os dois personagens é meio claro no sentido de que não havia para onde mais ir. E o final é bem legal, porque a autora o deixa em aberto, para a imaginação do leitor.


6 - "O juramento de um pirata"


Autora: Aya Imaeda Avaliação:




Em uma família de piratas, Hana deseja ter mais reconhecimento. Ela quer participar mais ativamente das missões e ela foi cortada da próxima. Isso a deixou extremamente irritada. Depois de muita insistência, seu irmão Norisuke a leva em sua tripulação e até aceita que ela comande um dos esquadrões do bando. Mas tem algumas condições para isso. Uma delas é não questionar as ordens de seu irmão; outra é proteger seu filho Taro; e a terceira é executar uma ordem que ele dará no retorno da viagem e não perguntar o motivo. Mesmo com condições estranhas, Hana aceita e eles partem para uma ilha próxima para saquear os aldeões. Depois de um butim generoso, eles se deparam com algumas coisas estranhas acontecendo pela ilha. Hana decide investigar o paradeiro de seu irmão, mas não sem antes entender que existe uma força sobrenatural rodeando a ilha.


Esse é um conto bastante curioso que contém drama, terror e uma terrível escolha a ser feita ao final. Fiquei surpreso em como a autora usou a figura do kappa, um ser mitológico ligado aos rios. De fato, ele pode ser interpretado como um duende e suas intenções podem ser bastante malignas a depender do contexto. A narrativa começa sendo um drama familiar com a protagonista desejando ter mais responsabilidades e ao final ela se vê em uma situação completamente inesperada onde existe tamanha responsabilidade que ela não sabe se será capaz de dar conta. O título da narrativa se liga ao conceito de honra, tão comum no Japão. Uma palavra dada precisa ser cumprido à risca e a personagem não faz isso. Nas histórias da tradição oriental, o personagem que descumpre algum juramento acaba sofrendo uma espécie de punição divina ou precisa fazer muitos sacrifícios para obter sua redenção. E é um pouco isso o que acontece com ela.


A autora conta a história bem, apesar de alguns elementos convenientes demais inseridos na narrativa. Gosto também que ela mostrou uma trama tipicamente oriental (em cenário e em tema), mas usando a estética do pirata, que existiu sim pela costa do Japão. Não o pirata clássico como estamos acostumados a ver em filmes de swashbuckling, mas os saqueadores, os ladrões. Estes sempre existiram em várias épocas e lugares. A narrativa tem um senso de pavor bastante acentuado e o leitor realmente fica preocupado com a sobrevivência de todos. O final surpreende um pouco e a autora ainda faz uma brincadeira para nos deixar tensos. É aquela piscadela típica de filmes de terror que te mostra um sobrevivente no meio de um massacre de monstros.


7 - "O verde e o negro"


Autor: Sid Castro" Avaliação:




A Irlanda já não oferece o interesse e o senso de aventura para Shane. Depois de receber diversas cartas de seu tio Shane a respeito de uma estranha pedra situada no Brasil e que teria conexão com Hy-Brazil, o irlandês parte junto de seu cluricaun, Sean, para as terras tropicais. Ele sai para investigar a famosa pedra da Gávea e então se depara com um estranho grupo de pessoas liderados por um chefe poderoso e um tipo de duende negro chamado Sacy. Ele é levado até um lugar chamado quilombo onde alguns mistérios começam a se tornar mais claros. Mas, o coronel Trovoada, um escravista importante da região está de olho na chegada do irlandês e deseja poder a todo custo.


Essa é uma boa narrativa com um espírito aventureiro onde um homem estrangeiro acaba perdido em terras desconhecidas. Sendo bem humorado, ele consegue atravessar situações complicadas com um pouco de sinceridade e honestidade. Seu cluricaun é um ótimo parceiro de aventuras, oferecendo um mínimo de proteção e muito de bom humor. A história é bem simples de acompanhar, mas achei que ela expõe sua mão excessivamente. A ameaça do coronel Trovoada é evidente, principalmente quando suas origens se tornam mais claras, só que a narrativa o coloca quase como uma ameaça cósmica. Sei que é uma maneira interessante de mostrar a riqueza do folclore nacional, mas é preciso estabelecer quando muito é, de fato, muito. Os protagonistas são divertidos, mas o trabalho com os demais personagens acabou meio deixado de lado e a revelação de Trovoada no meio da história perdeu a potência dramática necessária. É uma história divertida, mas não sei se eu voltaria a lê-la.


8 - "A última criança"


Autor: Silas Chosen Avaliação:




Ricardo é um menino que mora em uma comunidade e está sendo perseguido pela gangue do Suíço. Seu irmão aprontou alguma com o chefe da gangue e é o menino quem irá pagar o pato. Por mais que Ricardo seja liso, ele não irá escapar dos esforços em acabar com ele. Mas, subitamente, surge um estranho ser com feições bastante estranhas e horripilantes disposto a ajudá-lo. Este ser se chama Wynogg e ele foi enviado de outro mundo para buscar Ricardo para realizar uma importante missão. O estranho duende rapidamente se livra de seus perseguidores e eles, juntos, retornam ao mundo de Wynogg, um mundo que possui ameaças e mistérios terríveis. Qual será a missão de Ricardo?


Essa é mais uma narrativa de aventura, dessa vez daquelas em que um "escolhido" precisa atravessar para ir a outro mundo resolver alguma situação complicada. Ricardo possui um conhecimento bastante superficial sobre as regras que regem esse outro mundo e Wynogg é quem vai explicar o que ele precisa saber. Nesse ponto a construção de mundo é meio estranha onde o autor se concentra em explicar como funciona (ou funcionava) a magia neste mundo, quais são os "poderes" de Ricardo e alguns conceitos como a retribuição. Há um grau de importância no envolvimento entre o duende e o protagonista, portanto a travessia na floresta é importante. Só que alguns outros detalhes poderiam ter sido melhor balanceados como onde os duendes vivem, como eles se relacionam e algumas pistas sobre como eles enxergam o seu rei.


Que é o que me leva ao meu segundo ponto que é a conveniência de algumas situações. Em uma narrativa pequena, não é possível seguir muito de forma transversal, necessitando ser direto com as missões. Mesmo assim, há um dedo muito grande do autor em fazer com que as coisas sempre aconteçam a favor do protagonista. Ou coisas que convenientemente caem do seu lado ou aquele artefato específico que pode salvar o mundo estar justo naquele momento, naquele lugar, esperando o protagonista. Quando os acontecimentos se seguem com esse grau, o senso de perigo acaba sendo deixado de lado. Não sentimos que o personagem está em perigo real, em nenhum momento. E isso tira um pouco da graça da história.


9 - "Carnavalito"


Autora: Simone Saueressig Avaliação:




Duda está ouvindo uma bendita música de flauta há algum tempo e ele não aguenta mais esse barulho. Ele tenta descobrir de onde vem enquanto acontece uma festa com todo tipo de pessoas fantasiadas ao seu redor. Até que ele vê uma pequena figura tocando a flauta. É então que ele consegue roubar a flauta e sair correndo enquanto o duende segue atrás dele. Ele se mete no meio de uma profusão de cores e rostos, tentando escapa das garras enfurecidas da criatura. Ele encontra uma bela mulher que desperta os seus hormônios em puberdade, mas dizem que no carnaval nem tudo o que parece, é. Poderá Duda siar com sua sanidade intacta? O que dirá de sua vida?


Essa é uma história curtinha que poderia ser resumida em uma canção carnavalesca. Sério! O ritmo da história é todo musicado, com rimas aqui e acolá. Não há bem uma trama definida com algum tipo de jornada específica. O que temos é um personagem aprontando travessuras no meio de uma festa que reúne uma série de criaturas sobrenaturais da América Hispânica. Representações de duendes da Patagônia, da América Central, como se fosse uma reunião ou um ritual envolvendo esses seres. Tem muita dança e música por toda a parte, mas como acontece com mitos dessas regiões, eles estão envoltos por uma aura obscura. É como o Dia de los Muertos mexicano e a figura da Katrina. Ao mesmo tempo em que a data é usada para festa e curtição, existe um componente macabro envolvido onde a passagem para outro mundo fica aberta. O mesmo pode ser dito aqui com a maneira como estes seres se relacionam na festividade. Existe a brincadeira, a troça, típicos de figuras semelhantes ao saci e ao curupira, mas também existe o roubar a alma, a morte instantânea. Gostei como o conto consegue transitar em uma linha divertida e desinibida ao mesmo tempo em que existe algo mortal no processo. O leitor vai ficar surpreso com a naturalidade como algumas cenas bem macabras acontecem. Inclua no pote a bela escrita da Simone Saueressig e você tem um pacote completo.


10 - "A fortuna de Rhydderch"


Autora: Ana Lúcia Merege Avaliação:




Rhydderch é um bardo que deseja se tornar rico e famoso na corte do rei Gruffydd. Ele tenta encantar a todos com seu carisma, seu conhecimento das histórias antigas e sua habilidade na harpa. Mas, Gruffydd tem uma série de outros bardos e ele pergunta a Rhydderch o que o torna diferente. É então que ele lança um desafio: o bardo deve sair pelo interior e buscar um dos Treze Tesouros da Britânia. Depois de encontrar um arauto, ele descobre que o único tesouro que um mortal poderia pôr as mãos é o caldeirão de Dyrnrch, cuja propriedade mágica é a de cozinhar alimentos apenas para os corajosos. Mas, para conseguir o caldeirão ele terá de enfrentar o terrível Modroch e atravessar a floresta onde vive o povo pequeno. Rhydderch tenta se precaver pegando flores da lua, cujas pétalas impedem que ele seja encantado pelos feitiços ilusórios dos duendes. Será que o bardo conseguirá levar sua missão a cabo e em um prazo de um ano conforme estipulado por Gruffydd?


Gostei bastante da escrita da autora que me remeteu diretamente a cancioneiros medievais, com narrativas que traziam histórias curiosas e envolviam o maravilhoso de alguma forma. Mesmo tendo um tom sério e até mesmo auspicioso em determinados momentos, a narrativa consegue entreter o leitor com um personagem curioso e que não tem nada de heroico. Rhydderch é um bardo que quer se dar bem na vida. Ele imaginou que iria enrolar o rei e acabou em uma missão bastante complicada. É importante destacar que cada detalhe da narrativa da autora é importante para o desenvolvimento, mesmo o menor deles. Devemos lembrar, por exemplo, que o bardo promete ao arauto que iria cumprir toda e qualquer promessa que ele fizer durante sua jornada. Por esse motivo, ele toma todo cuidado ao falar com alguém poderoso ou até para aqueles que o acompanham. A narrativa é bem fechadinha e não há furos de enredo. Os personagens presentes na trama tem um bom arco cada um. O leitor consegue identificar as características e peculiaridades de cada um.


Essa é uma narrativa sobre fazer e manter promessas. Muitos contos cautelares antigos tinham essa preocupação com o pode das palavras. Cavaleiros eram medidos por sua honra. Havia também uma necessidade de que seus nomes chegassem imaculados aos mitos e lendas contados a seu respeito. A aposta feita entre Rhydderch e Gruffydd é quase um ritual feudo-vassálico no qual o personagem está preso socialmente à promessa que fez. Logicamente que depois disso, durante sua jornada, as situações em ue ele se coloca tem a ver com etapas de sua jornada. Vale pensar que a autora usou uma estrutura clássica de histórias que remete aos contos de fadas: o dos três testes de coragem. Um personagem precisa passar por três situações específicas onde seus "atributos heroicos" são medidos. No caso se tratam da entrada na floresta, a busca pela tumba e a recuperação do caldeirão. Existe uma inversão nesse tropo mais adiante, quando da fetsa de celebração, mas gostei do emprego desta estrutura.


11 - "A noite em que quase morri"


Autor: Eduardo Kasse Avaliação:




Tita é uma vampira imortal que caminha entre os homens desde a época do Império Romano. Já viu, sentiu e curtiu coisas além de nossa compreensão. Mas, ela chegou a um momento de existência em que as coisas perderam a importância. A caça já não é tão interessante, o sangue já não é tão saboroso. Em uma de suas jornadas, ela acaba se envolvendo com o pintor Caravaggio, o que acende parte de sua chama. Depois de algum tempo juntos, subitamente o pintor desaparece sem deixar vestígios. Isso faz com que a vampira caia em um terrível estupor que parece poder levá-la a uma morte final desagradável. Só que uma força sombria parece estar por trás do desaparecimento de seu companheiro.


Essa é uma narrativa que se passa dentro do universo de Tempos de Sangue criado por Kasse. Mas, não é preciso ter lido nada para poder entender (tem umas menções aqui e ali que serão mais fan services para quem acompanha). A escrita do autor mudou bastante m relação à época em que ele escrevia seus livros vampirescos. Sinto uma segurança bem maior sobre o universo onde a narrativa se passa, como comandar o personagem (o famoso levar do ponto A ao B), gerar um interesse por aquilo que está acontecendo. A maneira como ele apresenta a história tanto pode caminhar para algo mais escrachado como pode adotar tons bem dramáticos. Mesmo com um tom leve, o drama vivido por Tita é bem grave. A personagem entrou em uma espiral de depressão, porque viveu tempo demais e os acontecimentos deixaram de fazer sentido para ela. Se coloquem na mente de alguém que não tem data para deixar esse mundo. Em algum momento, a criatividade acaba, a monotonia toma o lugar do dinamismo. Até se pararmos para pensar bem, não sei dizer se essa situação mortal no qual ela se vê envolvida é o suficiente para tirá-la desse tédio. Ela se move porque sua vida e sua imortalidade foram ameaçadas. Não vou dar mais detalhes porque quero deixar que os leitores aproveitem bem o conto que está muito bom.


Ficha Técnica:


Nome: Duendes - Contos Sombrios de Reinos Invisíveis

Organizado por Ana Lúcia Merege

Editora: Draco

Número de Páginas: 304

Ano de Publicação: 2019


Link de compra:

























Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page
Conversa aberta. Uma mensagem lida. Pular para o conteúdo Como usar o Gmail com leitores de tela 2 de 18 Fwd: Parceria publicitária no ficcoeshumanas.com.br Caixa de entrada Ficções Humanas Anexossex., 14 de out. 13:41 (há 5 dias) para mim Traduzir mensagem Desativar para: inglês ---------- Forwarded message --------- De: Pedro Serrão Date: sex, 14 de out de 2022 13:03 Subject: Re: Parceria publicitária no ficcoeshumanas.com.br To: Ficções Humanas Olá Paulo Tudo bem? Segue em anexo o código do anúncio para colocar no portal. API Link para seguir a campanha: https://api.clevernt.com/0113f75c-4bd9-11ed-a592-cabfa2a5a2de/ Para implementar a publicidade basta seguir os seguintes passos: 1. copie o código que envio em anexo 2. edite o seu footer 3. procure por 4. cole o código antes do último no final da sua page source. 4. Guarde e verifique a publicidade a funcionar :) Se o website for feito em wordpress, estas são as etapas alternativas: 1. Open dashboard 2. Appearence 3. Editor 4. Theme Footer (footer.php) 5. Search for 6. Paste code before 7. save Pode-me avisar assim que estiver online para eu ver se funciona correctamente? Obrigado! Pedro Serrão escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:42: Combinado! Forte abraço! Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:41: Tranquilo. Fico no aguardo aqui até porque tenho que repassar para a designer do site poder inserir o que você pediu. Mas, a gente bateu ideias aqui e concordamos. Em qui, 13 de out de 2022 13:38, Pedro Serrão escreveu: Tudo bem! Vou agora pedir o código e aprovação nas marcas. Assim que tiver envio para você com os passos a seguir, ok? Obrigado! Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:36: Boa tarde, Pedro Vimos os dois modelos que você mandou e o do cubo parece ser bem legal. Não é tão invasivo e chega até a ter um visual bacana. Acho que a gente pode trabalhar com ele. O que você acha? Em qui, 13 de out de 2022 13:18, Pedro Serrão escreveu: Opa Paulo Obrigado pela rápida resposta! Eu tenho um Interstitial que penso que é o que está falando (por favor desligue o adblock para conseguir ver): https://demopublish.com/interstitial/ https://demopublish.com/mobilepreview/m_interstitial.html Também temos outros formatos disponíveis em: https://overads.com/#adformats Com qual dos formatos pensaria ser possível avançar? Posso pagar o mesmo que ofereci anteriormente seja qual for o formato No aguardo, Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 17:15: Boa tarde, Pedro Gostei bastante da proposta e estava consultando a designer do site para ver a viabilidade do anúncio e como ele se encaixa dentro do público alvo. Para não ficar algo estranho dentro do design, o que você acha de o anúncio ser uma janela pop up logo que o visitante abrir o site? O servidor onde o site fica oferece uma espécie de tela de boas vindas. A gente pode testar para ver se fica bom. Atenciosamente Paulo Vinicius Em qui, 13 de out de 2022 12:39, Pedro Serrão escreveu: Olá Paulo Tudo bem? Obrigado pela resposta! O meu nome é Pedro Serrão e trabalho na Overads. Trabalhamos com diversas marcas de apostas desportivas por todo o mundo. Neste momento estamos a anunciar no Brasil a Betano e a bet365. O nosso principal formato aparece sempre no topo da página, mas pode ser fechado de imediato pelo usuário. Este é o formato que pretendo colocar nos seus websites (por favor desligue o adblock para conseguir visualizar o anúncio) : https://demopublish.com/pushdown/ Também pode ver aqui uma campanha de um parceiro meu a decorrer. É o anúncio que aparece no topo (desligue o adblock por favor): https://d.arede.info/ CAP 2/20 - o anúncio só é visível 2 vezes por dia/por IP Nesta campanha de teste posso pagar 130$ USD por 100 000 impressões. 1 impressão = 1 vez que o anúncio é visível ao usuário (no entanto, se o adblock estiver activo o usuário não conseguirá ver o anúncio e nesse caso não conta como impressão) Também terá acesso a uma API link para poder seguir as impressões em tempo real. Tráfego da Facebook APP não incluído. O pagamento é feito antecipadamente. Apenas necessito de ver o anúncio a funcionar para pedir o pagamento ao departamento financeiro. Vamos tentar? Obrigado! Ficções Humanas escreveu no dia quinta, 13/10/2022 à(s) 16:28: Boa tarde Tudo bem. Me envie, por favor, qual seria a sua proposta em relação a condições, como o site poderia te ajudar e quais seriam os valores pagos. Vou conversar com os demais membros do site a respeito e te dou uma resposta com esses detalhes em mãos e conversamos melhor. Atenciosamente Paulo Vinicius (editor do Ficções Humanas) Em qui, 13 de out de 2022 11:50, Pedro Serrão escreveu: Bom dia Tudo bem? O meu nome é Pedro Serrão, trabalho na Overads e estou interessado em anunciar no vosso site. Pago as campanhas em adiantado. Podemos falar um pouco? Aqui ou no zap? 00351 91 684 10 16 Obrigado! -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification -- Pedro Serrão Media Buyer CLEVER ADVERTISING PARTNER contact +351 916 841 016 Let's talk! OverAds Certification Área de anexos ficcoescodigo.txt Exibindo ficcoescodigo.txt.