• Paulo Vinicius

Resenha: "A Verdade é uma Caverna nas Montanhas Negras" de Neil Gaiman e Eddie Campbell

Em uma história que mistura romance e fantasia, Neil Gaiman conta a história de um homem que segue em direção a uma caverna onde qualquer desejo pode ser obtido. Qual é o seu desejo? E por que ele não deseja fama ou fortuna?



Sinopse: Publicada incialmente em uma coletânea de contos do autor, A verdade é uma caverna nas Montanhas Negras é uma história fascinante sobre família, a busca por um tesouro e a descoberta de um mundo invisível. Em uma colaboração inédita, os personagens e as paisagens de Gaiman ganham forma com um traçado sombrio e impreciso do artista Eddie Campbell, e o resultado é uma obra que passeia entre o livro ilustrado e o graphic novel, desafiando os limites entre texto e imagem em uma explosão de cor e sombra, memória e arrependimento, vingança e, principalmente, amor.“Há grande simplicidade nesta história aparentemente misteriosa que fala sobre até onde o homem pode ir para alcançar seu desejo mais profundo e por fim se dar conta de que esse mesmo desejo perde sua força quando realizado.”Pittsburgh Post-Gazette




Escrever alguma coisa sobre uma história de Neil Gaiman é sempre muito difícil. São sempre histórias detentoras de uma estrutura complexa e com símbolos espalhados por todo o lado. Gaiman não é um autor que te explica detalhadamente o que ele pretende na história. Caracteristicamente ele costuma deixar a interpretação de suas histórias para os leitores. Quase sempre eu preciso fazer uma segunda ou até uma terceira leitura para tentar pegar novas pistas sobre o todo deixado por ele.

Johnny é um anão que está tentando chegar até a Montanha Escura. Para chegar até lá ele precisa de um guia que conheça a região. Callum McInnes é um homem da fronteira vivendo sua vida simples ao lado de seu filho. Segundo as lendas, a Montanha Escura possui tesouros incalculáveis. Mas, um homem só pode sair com aquilo que puder carregar em suas mãos. Esse tesouro parece não trazer nenhuma felicidade a quem sai da montanha.

Vou falar primeiro da ambientação que é o mais simples. Ao não impor uma temporalidade específica, Gaiman torna a sua história atemporal. Isso acaba beneficiando a história ao fornecer um ar de fábula ou mito. Johnny e Callum parecem estar em algum lugar nas highlands, uma região de topografia elevada situada na Escócia. As roupas usadas pelos personagens, kilts, nos fornecem uma pista sobre onde eles podem estar. Mas, Gaiman dá espaço para situarmos a história em qualquer lugar.

Os personagens são bem construídos. Por ser uma história que analisa o íntimo de seus personagens, não há necessidade de povoar com uma quantidade enorme de personagens. As motivações de Johnny e Callum são bem apresentadas só tendo um desenvolvimento interessante no final. Apesar disso, Gaiman fornece algumas pistas durante a travessia do que planeja fazer no final. Esta história é bem redondinha, ou seja, tudo faz sentido.



“As montanhas negras são as Black Cuillins na ilha de Skye, também conhecida como ilha alada, ou talvez ilha das brumas. Dizem que há uma caverna cheia de ouro por lá, e que aqueles que a procuram para levar parte de seu ouro se tornam um pouco mais malignos…”

Eddie Campbell soube captar bem algumas cenas da história. Existe todo um clima melancólico na história, simbolizado pela presença quase permanente de um clima escuro, chuvoso ou enevoado. Esta é a maneira como o autor constrói o humor de sua história. Achei as expressões faciais do protagonista fantásticas. Faz um contraste entre o seu tamanho infantil e toda a carga emocional que ele carrega.

Apesar de parecer uma fábula, o livro é uma história de violência e vingança. Em como a violência desperta aquilo que existe de pior em nossos corações. Apesar do motivo justo de Johnny, não considero o personagem um herói. Novamente entram em cena as paisagens nubladas e chuvosas que percorrem todo o livro. Conheço pouco acerca dos border men, ou homens de fronteira, mas o pouco que ouvi falar é que são homens cuja lealdade é apenas a si mesmo. Isso porque eles não se entendem como parte nem do lado de cá da fronteira, nem do lado de lá.

Algumas cenas são realmente impactantes. A morte da filha de Johnny demonstra o mal que um homem pode fazer pela inação. Mesmo o mais honrado dos homens sente medo e arrependimento. Corajoso é aquele que é capaz de ultrapassar todos os sentimentos negativos e vencer a inação. Outra cena que ilustra bem o caráter dos personagens é a rápida conversa entre Johnny e o espírito das Montanhas Escuras. Johnny não queria o tesouro, mas vingar a morte de sua filha; já Callum queria apenas obter riquezas.

Neil Gaiman nos apresenta aquela típica história que deve ser contada ao redor de uma fogueira. Uma história repleta de magia e mistério que leva as pessoas a buscarem entender o próprio coração e o que um homem é capaz de fazer em nome de sua família. E como a ambição pode deturpar o coração de qualquer indivíduo.




Ficha Técnica:


Nome: A Verdade é uma Caverna nas Montanhas Negras

Autor: Neil Gaiman

Artista: Eddie Campbell

Editora: Intrínseca

Gênero: Fantasia

Tradutor: Augusto Calil

Número de Páginas: 80

Ano de Publicação: 2015


Link de compra:

https://amzn.to/2UHLZLH


Tags: #averdadeeumacavernanasmontanhasnegras #neilgaiman #eddiecampbell #editoraintrinseca #livroilustrado #vinganca #solidao #familia #tesouro #fabula #violencia #justica #fantasia #leiafantasia #amofantasia #ficcoeshumanas


ficções humanas rodapé.gif

Todos os direitos reservados.

Todo conteúdo de não autoria será

devidamente creditado.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

O Ficções Humanas é um blog literário sobre fantasia e ficção científica.